qua., 15 de junho de 202210 minutos lidosFather Hans Buob

12º Domingo

Homilias bíblicas sobre os Evangelhos Dominicais no ano litúrgico C

Christ Tempted by Satan, by Georg Karl Franz Cornicelius (1888).

Passagens bíblicas


Lucas 9,18-24

"Num dia em que ele estava a orar a sós com os discípulos, perguntou-lhes: “Quem dizem que eu sou?”. Responderam-lhe: “Uns dizem que és João Batista; outros, Elias; outros pensam que ressuscitou algum dos antigos profetas”. Perguntou-lhes, então: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. Ordenou-lhes energicamente que não o dissessem a ninguém. Ele acrescentou: “É neces­sário que o Filho do Homem padeça muitas coisas, seja rejeitado pelos anciãos, pelos príncipes dos sacerdotes e pelos escribas. É neces­sário que seja levado à morte e que ressuscite ao terceiro dia”. Em seguida, dirigiu-se a todos: “Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, irá perdê-la; mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim, irá salvá-la."

Homilias bíblicas


"Num dia em que ele estava a orar a sós com os discípulos, perguntou-lhes: “Quem dizem que eu sou?”. Responderam-lhe: “Uns dizem que és João Batista; outros, Elias; outros pensam que ressuscitou algum dos antigos profetas”. Perguntou-lhes, então: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. (cf. versículo 18-20)

O que é que esta palavra de Deus nos quer dizer hoje para a nossa viagem com Cristo? Trata-se de revelação, e a revelação tem sempre lugar em silêncio perante Deus, ou seja, numa espécie de sala de oração. É por isso que o evento aqui descrito também tem lugar numa sala de oração, por assim dizer, quando Jesus reza em solidão e os seus discípulos estão com ele.

Trata-se da revelação da pergunta: Quem és tu, Cristo? Jesus é aqui o questionador, mas também o questionado. O que se pede é a opinião da multidão e as três diferentes opiniões do povo são, por assim dizer, o pano de fundo da confissão de Pedro que se segue. Alguns pensam que é João Baptista, outros pensam que é Elias ou um dos antigos profetas.

Mas depois vem a pergunta directa de Jesus aos apóstolos e assim também a cada um de nós que hoje nos chamamos cristãos: "Quem pensas que eu sou? A resposta de Pedro é literalmente: "O Cristo, ou seja, o Ungido de Deus". Isto é traduzido como "Messias". No entanto, Cristo ou o Ungido de Deus é aquele em quem toda a lei do Antigo Testamento e todas as promessas a Israel são cumpridas e que pertence inteiramente a Deus. O mesmo título que Pedro dá aqui a Jesus é aquele que mais tarde foi usado pelos anciãos de Israel quando escarneceram de Jesus debaixo da cruz: "O Messias, o Rei de Israel! Que desça agora da cruz, para que possamos ver e acreditar" (Mc 15,32; cf. também Mt 27,40-42 e Lc 23,35). Assim, a confissão de Peter já aponta para o fim. Ao mesmo tempo, a primazia de Pedro é também realçada nesta passagem, uma vez que todos os discípulos concordam com a confissão de Pedro. Ele falou por todos eles.

"Ordenou-lhes energicamente que não o dissessem a ninguém.Ele acrescentou: “É neces­sário que o Filho do Homem padeça muitas coisas, seja rejeitado pelos anciãos, pelos príncipes dos sacerdotes e pelos escribas. É neces­sário que seja levado à morte e que ressuscite ao terceiro dia”." (cf. versículo 21-22)

Neste ponto torna-se claro: Jesus não é contra este título do "Cristo", o "Ungido de Deus", mas Ele quer que esta confissão seja mantida em silêncio, porque só quando o v. 22 seguinte se cumprir, quando tudo isto tiver acontecido, só então é que esta confissão se aplica plenamente, só então Jesus provou realmente ser o "Ungido de Deus". Jesus é o Messias, o Ungido de Deus, somente e somente como aquele que sofreu, como aquele que morreu e como aquele que ressuscitou. Por conseguinte, a proibição é de certo modo "limitada" até à Páscoa.

(O facto dos versículos 21 e 22 irem juntos é indicado em grego pelo particípio: "eipon"). O verso seguinte está ligado ao particípio, por assim dizer, ou seja, ambos os versos também pertencem inseparavelmente em termos de conteúdo. Só quando a morte, ressurreição, etc., tiverem ocorrido, então este título é cumprido no sentido mais pleno e então os discípulos devem confessar Jesus como o "Christos". Portanto, a messianidade de Jesus não só deve ser mantida em segredo por enquanto, mas deve ser pensada completamente em conjunto com o seu sofrimento, com a sua morte e ressurreição, pois estas são a explicação e o conteúdo do título, como já foi previsto pelo profeta Isaías no Cântico do Servo de Deus.

No entanto, Jesus não toma o título de Cristo de Pedro, mas fala de si próprio como o Filho do Homem. Este é um título de soberania que Daniel já tinha utilizado. O significado desta revelação do mistério de Jesus como Filho do Homem já transparece neste "must" divino (grego "dei" - ): Ele deve sofrer muitas coisas, deve ser rejeitado, deve ser morto e deve ressuscitar. Este "deve" transporta tudo. Lembra-nos da promessa feita e remete-nos para as Escrituras, nomeadamente para o "Servo de Deus" do profeta Isaías, em que tudo isto já está descrito e prometido. As palavras "O Filho do Homem deve sofrer muitas coisas" referem-se a todo o destino de Jesus. As palavras "sofrer", "rejeitar", "matar" estão no infinitivo grego, ou seja, designam como uma questão natural o que vai e deve acontecer a Cristo por parte dos homens. E também a forma passiva: "Ele será ressuscitado" corresponde novamente a este "imperativo" divino. É o plano de Deus e pertence inseparavelmente ao título de Messias.

"Em seguida, dirigiu-se a todos: “Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me." (ver versículo 23)

Até este ponto, Jesus falou de si próprio, do seu destino pessoal. Mas agora dirige-se, por assim dizer, a todos os que o rodeiam, não apenas aos discípulos - e portanto também a nós que hoje lemos e contemplamos o Evangelho. É a lei do seguimento de Cristo que se aplica a todas as pessoas e a todos os tempos.

A chamada a seguir a cruz mostra apenas o caminho a seguir, não o objectivo. Os dois primeiros imperativos: "negar" e "tomar a sua cruz", ou seja, abnegação e prontidão para seguir, não são duas condições completamente diferentes para seguir Cristo. Pelo contrário, a auto-negação só se concretiza seguindo Cristo, assumindo a sua cruz todos os dias.

A palavra "abnegação" soa-nos um pouco estranha hoje em dia, porque na realidade todos querem "cumprir-se a si próprios". E este esforço não é mau em si mesmo. Mas o que significa Jesus quando nos chama a negar-nos a nós próprios? É um "não" resoluto ao próprio ego, ao próprio egoísmo, a este "querer ser como Deus", querer determinar tudo por si próprio e não depender de Deus. Mas a auto-negação no sentido bíblico significa: Eu sigo Cristo e não a mim próprio. O Professor Schlier explica esta palavra da seguinte forma: Dar-me numa renúncia radical a mim mesmo, e não apenas aos meus pecados. Abraçar a própria morte com determinação. Este é o significado da palavra grega "negar-se a si próprio". Por outro lado, "tomar a cruz" significa concretamente o levantar e levantar do mastro que o condenado deveria levar para o lugar de julgamento. Aplicado à nossa vida, isto significa que não devemos apenas pegar um pouco da cruz que encontramos diariamente na nossa profissão e vocação, de facto em toda a nossa vida, e de imediato deixá-la cair de novo, mas levantá-la sobre os nossos ombros e realmente carregá-la. Tal como os condenados, também nós não devemos resistir à nossa cruz, mas aceitá-la completamente, e fazê-lo "diariamente". Ou seja, os desconfortos e aflições muito concretos da vida cristã ou mesmo as perseguições em nome da nossa fé: perseguição, ser ridicularizado, ridicularizado, não ser compreendido. Um apelo muito concreto de Jesus para mim. Finalmente, o terceiro imperativo: "segue-me" significa percorrer o caminho da cruz que Jesus percorreu antes.

Estes são os três passos a seguir a Jesus:

  1. Um estrondoso não ao meu ego;

  2. aceitar e carregar a cruz diária que a vida cristã implica; e

  3. o seguimento pessoal de Jesus no meu próprio caminho da cruz.

"Porque, quem quiser salvar a sua vida, irá perdê-la; mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim, irá salvá-la." (ver versículo 24)

Estas últimas palavras do Evangelho de hoje tornam mais uma vez muito claro que a exigência da palavra anterior inclui também a prontidão para o martírio. Seguir Cristo também pode significar concretamente ir para Jerusalém, ou seja, para o martírio real.

Mas aqueles que querem evitar a situação perigosa de seguir Jesus a fim de salvar as suas vidas, perderão as suas vidas no julgamento vindouro e não ganharão a vida eterna que está para vir. Jesus fala então de coragem àqueles que têm medo de um possível martírio e deixa claro: que o martírio não tirará a vida real, mas, pelo contrário, salvará a vida real para além do julgamento. Aqueles que se comprometeram a seguir Cristo até Jerusalém, talvez até à morte real, salvarão a vida real. Que se trata realmente de uma decisão concreta para Cristo e o seu discipulado é claro pela palavra "por mim".

Assim, neste Evangelho, Jesus explica primeiro o conteúdo do título do Messias - escarnecido, perseguido, morto, ressuscitado, etc. - mas depois convida os seus discípulos e todos aqueles que estão com ele a caminhar com ele neste caminho para Jerusalém com todas as consequências da abnegação, de tomar a cruz diária, sim, de seguir Cristo - se necessário até ao ponto do martírio. E aqui, mais uma vez, devemos perguntar-nos: é realmente o meu cristianismo o de um discípulo que está pronto a seguir Cristo e o segue realmente com todas as consequências, para além da abnegação e da tomada da cruz diária, mesmo a esta prontidão: Senhor, se estiveres disposto, também me darás a força para dar a minha vida por ti! ∎