qua., 3 de agosto de 202210 minutos lidosFather Hans Buob

19º Domingo

Homilias bíblicas sobre os Evangelhos Dominicais no ano litúrgico C

Ⓒ Photo by Vladimir Fedotov on Unsplash

Passagens bíblicas


Lucas 12, 32-48

"Não temais, pequeno rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos o Reino. Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói. Pois “onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração”. “Estejam cingidos os vossos rins e acesas as vossas lâmpadas. Sede semelhantes a homens que esperam o seu senhor, ao voltar de uma festa, para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram. Bem-aventurados os servos a quem o senhor achar vigiando, quando vier! Em verdade vos digo: ele há de cingir-se, dar-lhes à mesa e os servirá. Se vier na segunda ou se vier na terceira vigília e os achar vigilantes, felizes daqueles servos! Sabei, porém, isto: se o senhor soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria sem dúvida e não deixaria forçar a sua casa. Estai, pois, preparados, porque, à hora em que não pensais, virá o Filho do Homem.” Disse-lhe Pedro: “Senhor, propões esta parábola só a nós ou também a todos?”. O Senhor replicou: “Qual é o administrador sábio e fiel que o senhor estabele­cerá sobre os seus operários para lhes dar a seu tempo a sua medida de trigo? Feliz daquele servo que o senhor achar procedendo assim, quando vier! Em verdade vos digo: lhe confiará todos os seus bens. Mas, se o tal administrador imaginar consigo: Meu senhor tardará a vir, e começar a espancar os servos e as servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo virá no dia em que não o esperar e na hora em que ele não pensar, e o despedirá e o mandará ao destino dos infiéis. O servo que, apesar de conhecer a vontade de seu senhor, nada preparou e lhe desobedeceu será açoitado com numerosos golpes. Mas aquele que, ignorando a vontade de seu senhor, fizer coisas repreensíveis, será açoitado com poucos golpes. Porque, a quem muito se deu, muito se exigirá. Quanto mais se confiar a alguém, dele mais se há de exigir”"

Homilias bíblicas


"Não temais, pequeno rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos o Reino.” (São Lucas 12 , 32)

Hoje estamos novamente tratando de um Evangelho muito sério. Ouvimos repetidamente sobre a morte súbita de uma pessoa, seja através de um acidente ou no simples fato de um parente querido simplesmente aparecer morto na cama de manhã. Estamos sempre abalados com tais experiências e lembrados de que isso pode acontecer conosco a qualquer momento.

Jesus nos diz muito claramente: "Não temais, pequeno rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos o Reino”.  E este pequeno rebanho - é claro, somos nós. Não devemos temer, pois o Senhor nos assegura o Reino. Isso é o que nos marca imprevisivelmente e nos dá alegria.

“Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói. Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração” (São Lucas 12 , 33-34)

A exortação subsequente de Jesus: "Vende e vai"! (como é traduzido mais precisamente em grego) não serve para nos abrir o céu primeiro, mas apenas para embelezá-lo, porque o céu nos é dado como um presente. O Senhor quer nos surpreender. Ele quer nos dar algo glorioso que nunca poderemos ganhar a nós mesmos. Quando ele nos pede para "vender seus bens e dar os lucros aos pobres", não devemos ganhar o céu fazendo isso, mas nos tornarmos livres para sermos chamados à glória do céu a qualquer momento.

Não junte em sacos com buracos, diz Jesus, onde tudo praticamente cai de novo. Isso são pensamentos terrenos. Em vez disso, coloque seus esforços no céu, ou seja, faça o bem! Há pessoas pobres entre vocês. Você pode sempre fazer o bem, em qualquer lugar do mundo e em qualquer momento.

E depois uma afirmação muito importante e uma expressão maravilhosa: “Onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração”. Os tesouros na terra são mencionados de forma interessante aqui no plural, mas o tesouro no céu é apenas no singular. O terreno é a multiplicidade e a fragmentação. O celestial é um todo unificado. E, claro, nosso tesouro é estar com o Senhor, em sua glória. É por isso que Jesus diz: Estejam prontos! Deixe tudo isso de lado! Apeguem-se a nada! Não se deixem amarrar em nenhum lugar, mas estejam sempre prontos, "prontos para serem pegos" a qualquer momento, por assim dizer.

“Estejam cingidos os vossos rins e acesas as vossas lâmpadas. Sede semelhantes a homens que esperam o seu senhor, ao voltar de uma festa, para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram. Bem-aventurados os servos a quem o senhor achar vigiando, quando vier! Em verdade vos digo: ele há de cingir-se, dar-lhes à mesa e os servirá. Se vier na segunda ou se vier na terceira vigília e os achar vigilantes, felizes daqueles servos! (São Lucas 12 , 35-38)

Como o casamento do Cordeiro está se aproximando, também nós temos que ser cingidos, ou seja, simplesmente ficar prontos e esperar. Devemos seguir preparados ou também tentar trabalhar preparados, porque o Senhor também pode nos chamar enquanto estamos trabalhando, dependendo do que Ele pretende fazer conosco. Portanto, é uma questão de ambos: o discípulo ser ativo e estar atento. O discípulo é ativo e comprometido. Ele não apenas se senta ociosamente, mas luta pelo Reino de Deus. Mas ele também está sempre pronto para ser chamado imediatamente pelo Senhor.

Portanto, estar desperto é um estado de coração, um estado interior de espera pelo Senhor. Assim como às vezes ansiamos por um encontro com certas pessoas e já estamos ansiosos por ele; assim também devemos esperar pela vinda do Senhor, onde receberemos algo que nenhum olho viu e nenhum ouvido ouviu. Deve ser emocionante quando vemos nossos parentes e amigos de muito tempo novamente. Ao os reconhecer, experimentamos uma plenitude de vida que ainda não podemos realmente imaginar. Por que não ficamos cada vez mais entusiasmados por dentro quando pensamos neste objetivo? Observamos e esperamos por algo único e final. E se o Senhor encontra o servo acordado, Ele mesmo o serve com a comida que o servo preparou para o Senhor. O próprio Senhor me servirá. Isso significa vida eterna. São-nos dados assim infinitos dons.

Quanto mais a vinda do Senhor tarda a chegar, mais grato o Senhor é quando somos encontrados acordados. Curiosamente, Jesus não fala da primeira e quarta vigília, mas da segunda e terceira vigília. Isto significa que Sua chegada não pode ser esperada muito cedo ou muito tarde. Não sabemos a que hora o Senhor virá, seja na segunda ou terceira vigília da noite, mas se Ele nos encontra acordados, então também é verdade para nós: "Bem-aventurados os servos que o Senhor encontrar acordados quando Ele vier". Portanto, estejamos prontos!

“Sabei, porém, isto: se o senhor soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria sem dúvida e não deixaria forçar a sua casa. Estai, pois, preparados, porque, à hora em que não pensais, virá o Filho do Homem.” (São Lucas 12 , 39-40)

Esta passagem aponta para o perigo de que entre estas vigílias a tentação de adormecer seja provavelmente a mais forte. Já não se espera mais a Sua vinda. Sabemos que Ele está vindo, mas não O esperamos mais. Mas o verdadeiro servo de quem Jesus fala aqui, que está sempre pronto, não perde o desejo de retorno do Senhor, A casa iluminada na noite escura é a imagem da "espera do Senhor"; é, por assim dizer, a congregação nupcial, a igreja vigilante, esperando a chegada do Esposo.

Nesta segunda parábola do ladrão que pode vir à noite e invadir, explica-se a necessidade de vigiar e o perigo de uma segurança descuidada. O empregado é retratado como o proprietário da casa. Portanto, o Senhor vem não apenas como alguém que substitui tudo, mas também como um ladrão que leva tudo aquilo que ainda se agarra a si mesmo. Jesus não fala de um tempo específico, mas apenas de uma espera fiel. Ao contrário, não devemos nos preocupar com o tempo.

“Disse-lhe Pedro: “Senhor, propões esta parábola só a nós ou também a todos?”. O Senhor replicou: “Qual é o administrador sábio e fiel que o senhor estabele­cerá sobre os seus operários para lhes dar a seu tempo a sua medida de trigo? Feliz daquele servo que o senhor achar procedendo assim, quando vier! Em verdade vos digo: lhe confiará todos os seus bens. Mas, se o tal administrador imaginar consigo: Meu senhor tardará a vir, e começar a espancar os servos e as servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo virá no dia em que não o esperar e na hora em que ele não pensar, e o despedirá e o mandará ao destino dos infiéis.” (São Lucas 12 , 41-46)

Em resposta à pergunta de Pedro sobre a quem se refere esta parábola, Jesus deixa claro: Todos nós somos destinados. Todos deveriam examinar-se seriamente! Nesta parábola, o dono da casa é também o servo que está colocado sobre os criados. Trata-se simplesmente de fidelidade. Pois se o criado foi fiel, esperou e esteve realmente na ativa, o Senhor o "fará criado de todos os seus bens". Mas isso é vida eterna.

O fiel servo sabe que ele continua sendo um servo. O criado infiel, por outro lado, age como mestre, como Jesus então descreve. Ele vive suas inclinações ambiciosas - dormir, comer, beber, ficar bêbado, etc. - e de repente é chamado pelo Senhor quando já não espera mais por ele. Mas a desculpa deste servo é: "Meu senhor não vai voltar tão cedo". Mas não devemos ser enganados, Jesus diz isto muito claramente aqui.

“O servo que, apesar de conhecer a vontade de seu senhor, nada preparou e lhe desobedeceu será açoitado com numerosos golpes. Mas aquele que, ignorando a vontade de seu senhor, fizer coisas repreensíveis, será açoitado com poucos golpes. Porque, a quem muito se deu, muito se exigirá. Quanto mais se confiar a alguém, dele mais se há de exigir” (São Lucas 12 , 47-48)

Estes dois versos não mais falam de estar preparado, mas de obediência. O que é interessante aqui é a distinção entre o servo que conhece a vontade do Senhor e não age em conformidade, e aquele que age erroneamente sem conhecer a vontade do Senhor. Pois isto também responde claramente à pergunta de Pedro: “Senhor, propões esta parábola só a nós ou também a todos?” Estamos todos destinados a isso!

Mas aqueles que conhecem a vontade do Senhor terão uma responsabilidade especial: aqueles que conhecem a vontade do Senhor e não a fazem, devem contar com alguns. Mas aqueles que não conhecem a vontade do Senhor e não a fazem, não se sairão tão mal. Este último também sofrerá, como diz na parábola, mas não na mesma medida que o primeiro criado. Portanto, trata-se da justiça do Senhor. O Senhor é justo.

Dito isso, Jesus distingue então entre o que nos foi dado e o que nos foi confiado: "A quem muito foi dado" - em grego é "edotè" (εδοθη) = dado - "dele muito será cobrado". Mas "a quem muito foi confiado" - em grego é "paretento" (παρεθεντο), ou seja, para o administrador, para a vigia - "ainda mais será pedido dele". Assim, a quem algo foi dado, somente o que foi dado será exigido de volta, ou seja, o capital. Mas a quem mais é confiada a vigia, mais será exigido dele de volta, ou seja, capital com juros. Isto nos lembra outra parábola do criado que enterrou seu talento em vez de levá-lo ao banco para que rendesse juros. É exatamente isso que se quer dizer. Temos que lidar com o que o Senhor nos deu em nossa vida real. Devemos com isso trabalhar e crescer, no bom sentido. A justiça de Deus também é maravilhosamente expressa aqui. A quem Deus dá muito, Ele também exige muito. E se alguém conhece a vontade de Deus e age conscientemente contra ela, isso é algo completamente diferente do que se ele não conhece a vontade de Deus e age inconscientemente contra ela.

Mas nós conhecemos a vontade de Deus. Não podemos mais falar sobre como se esquivar dela. Mas na verdade, isto deve ser entendido positivamente: Podemos agir de acordo com esta vontade de Deus. Temos permissão para viver nesta casa como aqueles que estão esperando. Cumprimos nossa tarefa sem agitação e fazemos o que Deus nos chamou para fazer. Estamos simplesmente esperando e a maior felicidade de nossas vidas é a vinda do mensageiro da alegria, assim como uma noiva espera até que o noivo finalmente chegue. É para isso que Jesus quer nos preparar aqui. Pensemos novamente no início do Evangelho: deixemos realmente tudo o que nos prende a esta terra, que nos sobrecarrega e nos impede desta espera, de modo que não possamos ir ao casamento! Em vez disso, preparemos um tesouro no céu com tudo, ou seja, façamos o bem com tudo o que nos é dado e confiado, sejam bens espirituais, sejam bens materiais, sejam com nossa força de trabalho, etc. Façamo-lo simplesmente por amor ao Senhor, por amor a Jesus. Então não temos muitos tesouros que nos despedaçam por dentro, mas temos o único tesouro que nos enche completamente! Este único tesouro não nos dilacera, mas nos une e nós somos então realmente esta Igreja Esposa, esperando a vinda do Senhor.

Especialmente hoje, quando ouvimos repetidamente a morte repentina de uma pessoa, as palavras do Evangelho de hoje devem nos atingir bem no coração: É claro que podemos ser chamados a qualquer momento, mas não deve ser surpreendente. Ao invés disso, deveria ser algo esperado. Isso é o que Jesus quer. Ele não quer receber pessoas que não querem vir até ele. Ele quer nos receber com alegria. ∎