qua., 14 de setembro de 202210 minutos lidosFather Hans Buob

25º Domingo

Homilias bíblicas sobre os Evangelhos Dominicais no ano litúrgico C

The Parable of The Shrewd Manager by Marinus van Reymerswaele (1490–1546), National Museum in Warsaw, Poland.

Passagens bíblicas


Lucas 16:1-13

Jesus disse aos seus discípulos: “O administrador de um homem rico foi acusado de estar desperdiçando os seus bens. Então ele o chamou e lhe perguntou: ‘Que é isso que estou ouvindo a seu respeito? Preste contas da sua administração, porque você não pode continuar sendo o administrador’. “O administrador disse a si mesmo: ‘Meu senhor está me despedindo. Que farei? Para cavar não tenho força e tenho vergonha de mendigar… Já sei o que vou fazer para que, quando perder o meu emprego aqui, as pessoas me recebam em suas casas’. “Então chamou cada um dos devedores do seu senhor. Perguntou ao primeiro: ‘Quanto você deve ao meu senhor?’ ‘Cem potes de azeite’, respondeu ele. “O administrador lhe disse: ‘Tome a sua conta, sente-se depressa e escreva cinquenta’. “A seguir ele perguntou ao segundo: ‘E você, quanto deve?’ ‘Cem tonéis de trigo’, respondeu ele. “Ele lhe disse: ‘Tome a sua conta e escreva oitenta’. “O senhor elogiou o administrador desonesto, porque agiu astutamente. Pois os filhos deste mundo são mais astutos no trato uns com os outros do que os filhos da luz. Por isso, eu digo: Usem a riqueza deste mundo ímpio para ganhar amigos, de forma que, quando ela acabar, estes os recebam nas moradas eternas. “Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito. Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem confiará as verdadeiras riquezas a vocês? E se vocês não forem dignos de confiança em relação ao que é dos outros, quem lhes dará o que é de vocês? “Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará outro, ou se dedicará a um e desprezará outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”

Homilias bíblicas


"Jesus disse aos seus discípulos: “O administrador de um homem rico foi acusado de estar desperdiçando os seus bens. 2 Então ele o chamou e lhe perguntou: ‘Que é isso que estou ouvindo a seu respeito? Preste contas da sua administração, porque você não pode continuar sendo o administrador’.“ (cf. versículo 1-2)

No evangelho do domingo passado, Jesus dirigiu-se especialmente aos fariseus e escribas: a ovelha perdida, a moeda perdida. Agora dirige-se novamente aos seus discípulos, aqueles que o seguem, que decidiram por ele - e portanto também nós.

Esta parábola é sobre um mordomo que é acusado pelas suas costas - pois é assim que se diz em grego: "diaballein" (διαβαλλειν): por trás - pelo homem rico que serve. O homem rico então inicia uma investigação para descobrir se o que ouviu é verdade, se o seu mordomo agiu realmente injustamente. E o comissário de bordo tem a consciência pesada porque sabe muito bem que o exame confirmará o que ouviu, nomeadamente: que é um comissário de bordo injusto, e que depois será despedido.

"O administrador disse a si mesmo: ‘Meu senhor está me despedindo. Que farei? Para cavar não tenho força e tenho vergonha de mendigar… Já sei o que vou fazer para que, quando perder o meu emprego aqui, as pessoas me recebam em suas casas’. “Então chamou cada um dos devedores do seu senhor. Perguntou ao primeiro: ‘Quanto você deve ao meu senhor?’ ‘Cem potes de azeite’, respondeu ele. “O administrador lhe disse: ‘Tome a sua conta, sente-se depressa e escreva cinquenta’. “A seguir ele perguntou ao segundo: ‘E você, quanto deve?’ ‘Cem tonéis de trigo’, respondeu ele. “Ele lhe disse: ‘Tome a sua conta e escreva oitenta’. “O senhor elogiou o administrador desonesto, porque agiu astutamente. Pois os filhos deste mundo são mais astutos no trato uns com os outros do que os filhos da luz.“ (cf. versículo 3-8)

Mas o administrador ainda se encontra em funções durante esta revisão. O administrador infiel torna-se subitamente inteligente em perigo, no sentido humano, mundano e terreno da palavra. Como mordomo, ele ainda tem a autoridade do Senhor. Este é o momento decisivo desta parábola. Vê a angústia a aproximar-se dele. Não pode trabalhar muito, não quer mendigar, seria vergonhoso demais. É por isso que ele escolhe pessoas que tomarão conta dele mais tarde, quando for libertado. Em virtude do seu poder como administrador, ele simplesmente reduz a dívida de cada indivíduo, e tão obviamente que o proprietário deve ter notado, ao ler as IOUs alteradas, que o seu administrador tinha feito algumas mudanças muito importantes. E surpreendentemente, o mestre - ou seja, este proprietário de terras - felicita o seu mordomo, porque de facto fez a coisa mais inteligente que podia fazer no seu caso, mesmo que isso fosse em detrimento do seu mestre. Mas o proprietário tem de admitir: Foi refinado. Foi inteligente - no sentido do mundo. Foi certamente em detrimento do seu mestre, mas ele fez o que podia fazer para ser mantido e para providenciar a sua reforma, por assim dizer. Ele abusou do seu poder e simplesmente deu um desconto, que estava em ordem de um ponto de vista puramente legal, uma vez que ainda possuía esse poder do seu mestre. Não se trata portanto da injustiça que ele possa ter cometido, mas da sua sabedoria. O comissário de bordo utilizou o pouco tempo que lhe restava para assegurar a sua velhice e vida futura, à custa do seu mestre. No entanto, o proprietário elogia-o e diz: "Isto é a coisa mais inteligente que ele poderia ter feito". É o pensamento deste mundo.

Jesus censura assim os bons, para os envergonhar, pela sabedoria dos ímpios para fins maléficos. Os ímpios são espertos. A sabedoria dos filhos da luz deixa por vezes algo a desejar neste mundo, mas a sabedoria dos filhos deste mundo é magistral. Qual é a sabedoria dos discípulos do Senhor? Estamos realmente a usar esta vida de forma sensata? Estamos realmente a usar tudo o que nos acontece na nossa vida quotidiana para ganhar a vida eterna? Estamos realmente a viver as nossas vidas com verdadeira sabedoria? É disto que se trata. Como lidamos com tudo o que nos é confiado para a vida eterna? Ou será que acabamos por perder a vida real? Contentamo-nos em utilizá-lo para nós próprios, sem o utilizarmos para a vida eterna? Como lidamos com as ofertas de graça de Deus, ou muito concretamente: os sacramentos? Deixo que Deus me conceda o perdão no sacramento da penitência com a maior frequência possível? Irei tantas vezes quanto possível à Eucaristia, na qual toda a salvação é resumida, na qual o Senhor se volta para mim e se torna um comigo, porque isto não pode ser mais profundo na vida? Como é que me aproximo da palavra de Deus? Como é que lido com o tempo? Como lidar com tudo o que Deus me confiou em termos de pessoas, conhecimento, experiência, bens espirituais e terrenos? Como gerir tudo isto? Estarei eu, por exemplo, a redimir o tempo, como diz a Escritura, para a vida eterna? Serei eu inteligente? Essa é a questão! Como uso a minha posição e influência na vida profissional - para a vida eterna em vista da minha salvação ou apenas para mim mesmo? Estou a usá-lo de forma egoísta - e nesse caso não sou sábio - ou estou realmente a aproveitar ao máximo esta oportunidade, o pouco tempo que me foi dado como mordomo de todos os bens que Deus me confiou? Estou a usar este tempo como aquele mordomo injusto, mas da forma correcta? Estou a consumir estas coisas de forma egoísta, sem fruto para a vida eterna, ou estou a usá-las de forma lucrativa para a vida eterna?

"Por isso, eu digo: Usem a riqueza deste mundo ímpio para ganhar amigos, de forma que, quando ela acabar, estes os recebam nas moradas eternas.“ (cf. versículo 9)

Jesus desenha agora a consequência desta parábola: ego (εγϖ), ou seja, bastante sublinhado, "Eu digo-vos: fazei amizade com o Mammon injusto" Mammon injusto significa bens terrenos, riquezas procuradas para o seu próprio bem. É um perigo para a alma. É por isso que devemos usá-lo sabiamente, para que seja útil para a vida eterna, para que "quando tudo acabar para si" - em grego há aqui o aoristo, que expressa algo definitivo - "você será admitido nas habitações eternas" - que é o oposto da habitação efémera na terra. Os amigos que temos de fazer com a ajuda do injusto Mammon são os nossos semelhantes, os pobres, que depois intervêm por nós no julgamento, quando Jesus diz: "Na medida em que o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim que o fizestes". (Mt 25:40)

"Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito. Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem confiará as verdadeiras riquezas a vocês? E se vocês não forem dignos de confiança em relação ao que é dos outros, quem lhes dará o que é de vocês?“ (cf. versículo 10-12)

Jesus estabelece uma ligação indissolúvel entre o pequeno e o grande. A verdadeira fidelidade, a fidelidade a Jesus, a vontade de fazer a sua vontade, é confirmada nas pequenas coisas da vida quotidiana e na gestão dos bens terrenos, que são de facto efémeras. Quem não é fiel nisto, também não é fiel nos bens de uma ordem superior, nos dons espirituais e intelectuais.

Jesus contrasta então o Mammon da iniquidade e o verdadeiro. O Mamão da iniquidade refere-se à utilização de bens terrenos de acordo com Deus. O verdadeiro é o bem da salvação confiada aos filhos da luz.

Finalmente, na imagem da propriedade estrangeira e da verdadeira propriedade, Jesus volta a resumir o que foi dito: a propriedade estrangeira não é propriedade do homem. Somos apenas mordomos sobre os dons terrenos, sobre o "mamão iníquo" que nos foi confiado. Estes não são os nossos próprios bens, mas os de outros. Quanto aos bens intelectuais e espirituais, Jesus chama-lhes "vossos". Eles serão o nosso bem imperecível. Por conseguinte, devemos ser sábios na gestão dos bens que temos de administrar, tal como o administrador da parábola, para que com o que é perecível, o que é estranho para nós, possamos alcançar o que é imperecível, o que é nosso.

"“Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará outro, ou se dedicará a um e desprezará outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”.“ (cf. versículo 13)

No final do Evangelho, Jesus recorda-nos expressamente: "Nenhum servo da casa pode servir dois senhores! Dirige-se deliberadamente àqueles que o seguem, aos seus discípulos, mas também aos cobradores de impostos e pecadores que agora o seguem. Não se pode servir e agarrar-se a mestres tão opostos como o perecível e o imperecível ao mesmo tempo. Não se pode apegar a este mundo e a Deus ao mesmo tempo.

Jesus fala da preguiça e indecisão das crianças da luz em comparação com as crianças do mundo, que agem de forma muito decisiva e inteligente nas coisas do mundo. É, portanto, um assunto para ele que nos apegamos a ele, mesmo nas coisas mais pequenas da vida quotidiana. Então seremos sábios mordomos dos muitos dons de Deus. ∎