qua., 16 de fevereiro de 202210 minutos lidosFather Hans Buob

7º Domingo

Homilias bíblicas sobre os Evangelhos Dominicais no ano litúrgico C

The Lapidation of Saint Stephen, by Rembrandt, 1625.

Passagens bíblicas


Lucas 6, 27-38

Mas eu digo-vos: amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam. Desejai o bem daqueles que vos amaldiçoam e orai em favor daqueles que vos maltratam. Se alguém te bater na cara, dá-lhe a outra face. Se alguém quiser a tua capa, dá-lhe a túnica também. Dai sempre a qualquer um que vos peça; e, quando alguém tirar o que é vosso, não o peçais de volta. Fazei aos outros a mesma coisa que quereis que eles vos façam. Se só amais aqueles que vos amam, que mérito tereis? Até as pessoas de má fama amam as pessoas que as amam. E, se vós fazeis o bem somente àqueles que vos tratam bem, que mérito tereis? Até as pessoas de má fama fazem isso. E, se emprestais somente para aqueles que achais que vos pagarão, que mérito tereis? Até as pessoas de má fama emprestam aos que têm má fama, para receber de volta o que emprestaram. Fazei o contrário: amai os vossos inimigos e fazei-lhes o bem. Emprestai sem esperar receber de volta e assim tereis uma grande recompensa e sereis filhos do Deus Altíssimo. Fazei isso porque Deus é bom também para os ingratos e maus. Tende misericórdia dos outros, assim como o vosso Pai tem misericórdia. Não julgueis, e Deus não vos julgará. Não condeneis, e Deus não vos condenará. Perdoai, e Deus vos perdoará. Dai, e Deus vos dará. Ele será generoso, e as suas bênçãos serão tantas, que não podereis segurá-las nas mãos. A mesma medida que usardes para medir os outros Deus usará para vos medir.

Homilias bíblicas


“Mas eu digo-vos: amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam. Desejai o bem daqueles que vos amaldiçoam e orai em favor daqueles que vos maltratam.” (cf. versículo 27-28)

As palavras iniciais de Jesus já nos fazem “engolir” interiormente. Depois de Jesus ter expressado o seu “pesar” aos ricos e saciados no Evangelho do domingo passado, volta-se agora novamente para os seus ouvintes, ou seja, os seus discípulos, que, afinal de contas, decidiram a seu favor. Este novo mandamento de Jesus, nomeadamente o de amar os inimigos, destina-se, portanto, aos discípulos de Jesus e não àqueles que estão à margem, que não decidiram por Cristo e não permitiram esta virtude divina do amor. O cumprimento deste mandamento principal nem sequer é possível para eles, mas apenas para os seus discípulos e para aqueles que o seguem de bom grado. Apenas aqueles que disseram sim às privações e perseguições, e que foram louvados como abençoados por Jesus no Evangelho do último domingo, são sensíveis a este mandamento de Jesus. É por isso que o último Evangelho o precede.

A frase “Eu vos digo...” não é a palavra de algum rabino, mestre ou professor, mas a palavra de autoridade do professor por excelência. E esta palavra de autoridade exige agora que a resposta ao mal não seja, por sua vez, maligna. Pelo contrário, o mal deve ser vencido pelo bem, pelo amor.

Por amor, o grego “agapein” (αγαπειν) aqui denota explicitamente não o amor humano, mas o amor divino, uma capacidade divina para amar, como Jesus também proclama em João 15, 9: “Assim como o Pai me amou, também eu vos amei”. Para o amor humano, simpatia humana, o grego significa “philein” (φιλειν). Este divino “agapein” (αγαπειν) também se encontra em João 13, 34: “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”. Portanto, mais uma vez, isto não é um amor ao poder humano ou à escolha humana, mas é a virtude divina do amor. Deus torna este amor possível para mim. É por isso que ele pode até exigir que eu ame os meus inimigos – porque ele me dá essa capacidade de amar. Mas esta virtude divina do amor é-nos infundida no batismo. Este é o “agape” (αγαπη) – “agapein” (αγαπειν). A este respeito, este mandamento de amar os inimigos é compreensível precisamente a partir do comportamento do Senhor crucificado. Jesus, da cruz, perdoou aqueles que o crucificaram: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23, 34), este é o amor aos inimigos.

“Se alguém te bater na cara, dá-lhe a outra face. Se alguém quiser a tua capa, dá-lhe a túnica também.” (cf. versículo 29)

Esta palavra de Jesus está, naturalmente, também ligada ao amor dos inimigos. Deixar-se despir, como Jesus aqui o expressa, é na verdade uma forma exagerada de falar para sublinhar a seriedade desta exigência de vontade de suportar a injustiça. Pois só aquele que se deixa esventrar até ao último pode pagar o mal com o bem. Gostamos de dizer: não me deixarei explorar. Mas então nunca seremos capazes de amar como Jesus exige. Tal como o amor de Deus se permite ser explorado, também nós devemos aceitar ser explorados. Caso contrário, este amor ao inimigo não é possível. Apenas aqueles que se deixam explorar ao máximo e estão mesmo dispostos a aceitar uma maior injustiça podem pagar o mal com o bem. Esta é a capacidade que Deus colocou em nós, a virtude divina do amor.

Talvez se pudesse pensar melhor sobre esta palavra: Se a outra pessoa soubesse tudo o que eu já fiz de mal contra ele, falasse dele ou pensasse nele – não mereceria então duas bofetadas na cara, e não apenas uma? Na verdade, ele ainda é muito brando comigo. Ele só me dá uma bofetada porque não sabe tudo o que eu já perdi contra ele. Também isso faz parte do autoconhecimento: sempre tirei mais da outra pessoa em termos de honra e reconhecimento, etc., do que apenas um casaco. Não deveria eu sequer deixá-lo ficar com a minha camisa?

Mas o pensamento mais profundo está sempre ligado a este “Bem-aventurados os pobres”: é este realmente total “deixar-se esventrar” até à pele, esta vontade de suportar a injustiça. Quando já não me agarro a nada porque tenho tudo em Cristo, então sou abençoado. E aí volta a ficar claro: só aquele que se entregou completamente a Cristo, o discípulo que encontrou tudo em Cristo, pode fazer isso. Só ele pode aceitar este poder de amar os seus inimigos.

“Dai sempre a qualquer um que vos peça; e, quando alguém tirar o que é vosso, não o peçais de volta. Fazei aos outros a mesma coisa que quereis que eles vos façam.” (cf. versículo 30-31)

Dar àquele que pede sem pedir de volta – quem age desta forma já não tem obviamente qualquer interesse em si próprio. Entregou-se completamente a Cristo. Ele, por assim dizer, entregou-se amorosamente por completo e experimenta a sua realização nisto. Em tal pessoa, a esperança em Deus, que cria justiça, está tão viva que pode prescindir da sua própria justiça. O Senhor é o meu advogado. O Espírito de Deus, que ele me enviou, é o meu defensor e o meu tudo. Tal amor leva o mal ao coração, por assim dizer, e esmaga-o. Este é o auge de ser cristão. Imaginemos que viveríamos mais conscientemente para este objetivo, sabendo que a virtude divina do amor está em nós – como seria então entre nós, não só no mundo, mas especialmente entre nós cristãos? Pois essa é a irritação do mundo, que entre nós cristãos muitas vezes parece bastante diferente do que Jesus nos exige, mas também quer dar-nos neste amor divino da virtude. Quantas vezes nem sequer fazemos uso deste amor.

“O que esperas dos outros, faz-lhes o mesmo”, ou seja, a chamada Regra de Ouro: Amarás o teu próximo como a ti mesmo, farás aos outros como gostarias que te fizessem a ti, e isso a todas as pessoas, e não apenas ao teu irmão ou vizinho. É destinado não só àqueles que estão perto de nós, mas a todos! A Regra de Ouro é uma regra universal e significa todas as pessoas.

“Se só amais aqueles que vos amam, que mérito tereis? Até as pessoas de má fama amam as pessoas que as amam. E, se vós fazeis o bem somente àqueles que vos tratam bem, que mérito tereis? Até as pessoas de má fama fazem isso. E, se emprestais somente para aqueles que achais que vos pagarão, que mérito tereis? Até as pessoas de má fama emprestam aos que têm má fama, para receber de volta o que emprestaram.” (cf. versículo 32-34)

Nestas três frases negativamente formuladas, é expresso que as boas ações que apenas respondem às boas ações recebidas não são na realidade nada de especial e que aqueles que agem desta forma não têm nada a esperar de Deus. Se só faço o bem na condição de o recuperar, se possível mesmo duas ou três vezes – então isso não tem nada a ver com o cristianismo. Porque é isso que os pecadores também fazem. É por isso que não devemos esperar nada de Deus, porque perante Ele tais coisas não valem nada. O amor que Jesus significa é o amor criativo de Deus, não o amor que sempre espera algo em troca de tudo.

“Fazei o contrário: amai os vossos inimigos e fazei-lhes o bem. Emprestai sem esperar receber de volta e assim tereis uma grande recompensa e sereis filhos do Deus Altíssimo. Fazei isso porque Deus é bom também para os ingratos e maus.” (cf. versículo 35)

Nesta altura, Jesus quase resume mais uma vez o seu mandamento. Parece agora bastante claro e é escandalosamente novo. Jesus apresenta a perspetiva de uma grande recompensa: “Vós sereis filhos de Deus” – isto é incrível. O que ele nos oferece aqui é futuro e eternidade. O discípulo deve esperar por Deus e a comunhão com Deus deve ser tão importante para ele que o maior compromisso na terra vale a pena. Contudo, a motivação não deve ser o pensamento de recompensa, de acordo com o lema: eu ponho em tudo para obter algo; mas a verdadeira motivação deve ser o amor em que imitamos a Deus como filhos de Deus. Se somos filhos de Deus, então somos imitadores de Deus e este Deus faz tudo por amor e não por causa da recompensa. E isso é o crucial, que o façamos por amor a Deus.

Mas é assim que é connosco? Será que vivemos de acordo com isso? Será a comunhão com Deus tão importante para mim que o mais alto compromisso vale a pena para mim aqui na Terra?

“Tende misericórdia dos outros, assim como o vosso Pai tem misericórdia. Não julgueis, e Deus não vos julgará. Não condeneis, e Deus não vos condenará. Perdoai, e Deus vos perdoará. Dai, e Deus vos dará. Ele será generoso, e as suas bênçãos serão tantas, que não podereis segurá-las nas mãos. A mesma medida que usardes para medir os outros Deus usará para vos medir.” (cf. versículo 36-38)

O amor misericordioso é a natureza mais íntima de Deus. A este respeito, a imitação de Deus torna-se muito clara nesta exigência de Jesus. A misericórdia é o fator decisivo. A misericórdia, diz Santa Hildegarda de Bingen, é o remédio para a alma e o corpo. A misericórdia de Deus é algo incompreensível. Jesus diz à Irmã Faustina: “Todos os anjos no céu e todas as criaturas na terra por toda a eternidade nunca compreenderão a profundidade e a grandeza da minha misericórdia”. Isto torna clara a difícil tarefa com que este “ser misericordioso” nos confronta.

Então Jesus mostra-nos uma regra maravilhosa: Podemos determinar por nós próprios a medida com que Deus nos subjuga. O que a misericórdia é, é agora demonstrada, por assim dizer, nestas imagens: em perdoar, em dar, em não julgar. Trata-se realmente de julgarmos e criticarmos todos os dias! Pensemos em quem já hoje criticamos e julgamos, talvez nos nossos pensamentos. Talvez tenha acabado de ver alguém e tenha feito imediatamente um julgamento sobre ele. Já falei com alguém sobre uma terceira pessoa? Não podemos fazer um julgamento justo porque não conhecemos o coração da outra pessoa. Não conhecemos a sua motivação, a sua fraqueza, as suas limitações, a sua história. Só Deus, que procura o coração das pessoas, pode fazer um julgamento justo. Isto é muito, muito importante. Examinemo-nos a este respeito todos os dias.

E no final do Evangelho, Deus faz esta promessa decisiva: Ele será misericordioso comigo na mesma medida em que eu fui misericordioso para com todas as pessoas sem exceção. Portanto, não devemos apenas dar, mas dar como Deus. Devemos dar o nosso amor, a nossa atenção, simplesmente tudo o que Deus nos pôs à disposição sem medida, e por isso seremos agraciados com o Seu amor e misericórdia. Deus dá tudo nas nossas mãos aqui. Podemos determinar por nós próprios como Deus deve e pode estar connosco. ∎