sex., 13 de agosto de 202110 minutos lidosBernhard Meuser

Adultério

O adultério é a traição fundamental do amor, a violação de um pacto que foi feito aos olhos de Deus, e uma injustiça para com o próximo.

Ⓒ Photo by RODNAE Productions from Pexels

O que é isso?


"O adultério", diz YOUCAT 424, "é cometido quando duas pessoas, pelo menos uma das quais é casada com outra pessoa, têm relações sexuais. O adultério é a traição fundamental do amor, a violação de um pacto que foi feito aos olhos de Deus, e uma injustiça para com o próximo".

O que a Bíblia diz?


O quinto dos Dez Mandamentos diz: "Não cometerás adultério" (Êxodo 20,14). No entanto, a compreensão do amor conjugal pleno tem sido lenta a desenvolver-se. Assim, no Antigo Testamento, ainda encontramos homens que foram casados com várias esposas. O próprio Jesus declarou explicitamente a indissolubilidade do casamento: "Não separe, pois, o homem o que Deus uniu". (São Marcos 10,9) Invocando a vontade original do Criador, Jesus anulou assim a tolerância do divórcio do Antigo Pacto. O facto de Jesus ter tratado misericordiosamente a adúltera em São João 8, 1-11 não constitui uma trivialização. No Sermão da Montanha, Jesus até intensifica o mandamento de fidelidade, qualificando já o olhar convidativo ao sexo proibido (São Mateus 5,28) como "adultério". A elevada consideração pela fidelidade conjugal tem o seu fundamento nos profetas do Antigo Testamento, onde o adultério se torna um símbolo da infidelidade de Israel a Deus, como em Oséias 2, 21-22, onde Deus diz: "Eu a desposarei para sempre, conforme a justiça e o direito, com benevolência e ternura. Eu a desposarei com fidelidade e conhecerás o Senhor."

Uma pequena catequese do YOUCAT:


Convites para adultério

Vivemos numa época em que cada vez menos casais se atrevem a contrair matrimónio. Demasiadas vezes viram que os casamentos dos seus pais tinham apenas uma meia-vida. Muitas relações a longo prazo estão em crise. Em vez de um casamento de longa duração, as pessoas tornaram-se "realistas" e estão a adaptar-se a uma sucessão de uniões de facto de meia-vida. O "adultério", outrora quase um crime, está agora a tornar-se "normal".

As teorias de correspondência com as realidades em mutação nunca tardam a chegar. Recentemente, os biólogos comportamentais têm vindo a acreditar que os humanos são apenas condicionalmente monogâmicos; biogeneticamente, pelo menos os homens estão programados para "mudar" após quatro anos, no máximo. Em todo o lado se lê sobre o efeito estimulante de mudanças ocasionais de parceiro. Porque suportamos os dramas de ontem, quando a questão do impulso também pode ser resolvida de forma pragmática? Apenas esta palavra dos Dez Mandamentos, com 3000 anos de idade, impede que um ou outro se envolva na mudança de estilo na moda, no amor. Vamos torná-la fundamental: trata-se de dois conceitos completamente diferentes.

Dois conceitos de amor

O conceito 1 – o novo conceito – diz: o homem é para sempre solitário, uma espécie de solitário metafísico. O "amor" é o toque temporário de duas tangentes que duram tanto tempo quanto os sentimentos o carregam. Não há fusão (nem sequer sexo, o que faz com que se "perca a audição"). O conceito 2 – o antigo conceito – diz: "Não é bom que o homem esteja só" (Gênesis 2,18), portanto "Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois formarão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu." (São Mateus 19, 5-6).

Relativamente ao conceito 1, Theodor Weißenborn disse o que é necessário: "Um casamento aberto é um casamento que não foi feito". Se se quiser permanecer consigo mesmo e não ter a fusão, não se pode fazer um casamento nem quebrá-lo. A ligação tangencial do homem e da mulher, que está mais bem ocupada com a palavra "relação", está desde o início sob a reserva de ser o momentâneo melhor de todos os mundos (de amor) concebíveis. O ponto de ruptura está planeado. Para além dos juramentos, no último canto do coração, olha-se criticamente para o parceiro - não com amor. Será que o item do balanço ainda está do lado do crédito? Será que me faz feliz? Será que me compreende? Faz-me cócegas nos meus sentidos? Acho-o atraente? Ainda vale a pena? Ou não poderia haver alguém algures que me oferecesse 100 por cento em vez de 78+? O ponto de ruptura torna-se o ponto de separação – e o jogo começa tudo de novo numa nova constelação de parceiros. No início, os sentimentos quentes fervem – e no terceiro dia, o termómetro é segurado na sopa.

Theodor Weissenborn

Entrego-me a ti como um presente

No conceito 1, nenhum presente é dado. As prendas são transferências irrevogáveis. Trata-se de permuta: o que tem para oferecer? O que é que tenho para oferecer? Em sites de encontros virtuais, as pessoas verificam fotografias extravagantes, comparam as medidas do corpo e os níveis de rendimento, comparam a maneira como se apresentam, nádegas contra barrigas de lavatório e penteados da moda. A maioria das ofertas tem pequenas peculiaridades, como é de esperar no comércio de segunda mão. E cada vez mais pessoas no mercado são objetos de alguma forma maltratados, deixados para trás pela idade avançada. O seu valor de mercado está a diminuir permanentemente, apesar de uma renovação generalizada. Cicatrizes mentais, idade, excesso de peso, crianças, barrigas de cerveja, seios flácidos, calvície, celulite, problemas de trabalho tendem a posicionar os primeiros "parceiros de sonho" no reino da inviabilidade de venda – puramente em termos do amor.

No final, temos uma sociedade com um elevado número de pessoas amargadas – aqueles que foram eliminados do jogo do amor devido à idade, rendimentos, aparência e outros critérios de mercado. E é aqui que a verdade do conceito 1 se revela: nunca foi sobre o amor – era sobre a compra. Infelizmente, agora não és vendável.

Saia da solidão!

Conclusão: Quem não se dá completamente, com pele e cabelo, para sempre a outra pessoa e é aceite como um presente com um excesso igualmente insano e sem ses e mas, permanece sozinho, não importa quantas parcerias realize. Quem quiser sair do paralelismo da solidão sincrónica tem de se envolver no conceito 2, o conceito que foi concebido na Bíblia. Aqui trata-se de amor – e isso é uma fusão: “Assim, já não são dois, mas uma só carne" (São Mateus 19,6). Mas como é que isto pode ser feito? Não o faça. As pessoas envolvem-se sempre numa pechincha? Haverá uma união de homem e mulher em que uma não é (traída e) vendida?

O amor de que estamos a falar aqui não é uma profissão. Quando se negoceia, dá-se para receber; quando se ama, dá-se para dar. Este amor é, antes de mais, um espanto suspenso feliz pelo que é dado inesperadamente – esta linda rapariga, por exemplo, que responde "Sim" à pergunta ansiosa "Amas-me?” A essência deste presente jubiloso é que é gratuito – não se podia pagá-lo com dinheiro. Sim, se fosse pago com dinheiro, seria prostituição (ou seja, não amor). E porque o presente é tão imoderado, a resposta só pode ser imoderada: Devoção sem "ses" e "mas".

Mas, mas, mas ... dizem os críticos

A lua-de-mel passa - e depois a verdade nua sai: o amor é um equilíbrio de interesses muito bem pago. Não, diz o cristão de fé. O amor é mais forte. É mais forte do que qualquer custo de parceria ou cálculo de benefícios. Mais forte do que os desejos em mudança. Mais forte do que as doenças e fraquezas dos parceiros. O amor não para mais.

Que tipo de amor não para – os críticos perguntam. Porque não conhecem nenhum. O amor que Deus trouxe ao mundo, dizem os cristãos. E esta é de facto "a diferença que faz a diferença", como diria Gregory Bateson. Os cristãos acreditam que, primeiro, há um amor absoluto – é com Deus, em nenhum outro lugar, o amor humano é relativo; que, segundo este amor existe na terra – reconhecidamente apenas porque Deus o introduziu aqui; que, terceiro, os seres humanos são expressamente convidados a entrar neste amor de Deus e em todas as suas características como num navio que já navegou há muito tempo. O amor de Deus é, acima de tudo, uma coisa: é fiel. Cada página da Escritura mostra um Deus que se ligou tanto a nós, humanos, que os humanos já não podem quebrar este pacto. O amor fiel de Deus ocorre como a irradiação permanente de calor e luz. O que quer que as pessoas façam com este amor, como o rejeitam, contaminam-no e espezinham-no debaixo dos pés: O amor de Deus permanece fiel. E se as pessoas quiserem amar, ou seja, se quiserem entrar no estilo de vida de Deus como um navio em movimento, é-lhes exigida uma grande marca registada: fidelidade.

O que acontece, então, quando dois realizam um casamento?

Os casamentos cristãos, de acordo com um velho ditado, são “feitos no céu". Deus faz algo lá. Mas o quê? Ele faz dois em um: Ele cria-a – a verdadeira fusão que se vislumbra no sexo amoroso. Duas pessoas são tomadas pela iniciativa de Deus na absolutização do amor divino – e Deus dá-lhes a força, a bênção, o poder, a firmeza, que no futuro no meio de um mundo relativo representam um pedaço do amor absoluto e irrevogável de Deus através de uma fidelidade absoluta. Daí a palavra de Jesus: "Portanto, não separe o homem o que Deus uniu" (São Mateus 19,6). Os amantes são a imagem – Deus é o arquétipo. Eles são os franchisados, Deus é o licenciador.

As violações da fidelidade, a propósito, ocorrem mesmo assim, porque os cristãos são e continuam a ser pecadores, pessoas tímidas e fracas. Mas estas violações são tudo menos pecadilhos, que com um pouco de mais tolerância mútua também pode ser entendida como formigueiro o enriquecimento de um casamento. São como incitamentos à desconfiança no amor de Deus. É por isso que eles se projetam para o abismal. E é por isso que esta ferramenta: Não quebre o casamento! é tão fundamental. Porque podemos perder a fé no amor.  ∎