Fri, April 30, 202110 minutos lidosBernhard Meuser

Caridade

Dentre os muitos tipos de amor, a caridade ativa (Latim: caritas) tem especial lugar. Uma interpretação baseada na Bíblia e no Catecismo.

Ⓒ Photo by Catholic link Español on Cathopic

O que é caridade?


Entre os vários tipos de amor, a caridade (do latim: caritas) ocupa um lugar especial. Ver e servir os outros nas suas necessidades é um caminho seguro para Deus, a fonte de todo o amor. Foi Deus, através de Jesus Cristo, que nos tornou possível participar no seu cuidado incondicional e divino para com o nosso próximo. Em Deus caritas est, o Papa Bento XVI escreveu, "para a Igreja, a caridade não é uma espécie de atividade de assistência social que se poderia mesmo deixar a outros, mas pertence à sua natureza, é expressão irrenunciável da sua própria essência.”

O que a Bíblia diz?


A ordem para a caridade, para amar o próximo, é antiga. Aparece tão cedo como Levítico 19,18 ("Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor") e é concretizada muitas vezes. Quando Jesus é questionado sobre este mandamento, Ele volta a enfatizar o ensinamento e aprofunda-o: “’Qual é o primeiro de todos os mandamentos?’ Jesus respondeu-lhe: ‘O primeiro de todos os mandamentos é este: Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor; amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito e de todas as tuas forças. Eis aqui o segundo: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Outro mandamento maior do que estes não existe’.” (Mc 12, 28b-31). A intensificação de Jesus é particularmente tangível em pelo menos dois lugares. Um é o Sermão da Montanha onde Ele diz: “Tendes ouvido o que foi dito: Amarás o teu próximo e poderás odiar teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos [maltratam e] perseguem. Deste modo sereis os filhos de vosso Pai do céu, pois ele faz nas­cer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos.” (Mt 5, 43-45). O segundo grande ensinamento de Jesus sobre a caridade é a parábola do Bom Samaritano (Lc 10, 25-37). Aqui, os que foram chamados ao amor não o fazem, mas o samaritano forasteiro, de todas as pessoas, acaba por ser aquele que agrada a Deus por amar verdadeiramente. As facetas do amor são ricamente desenvolvidas na primeira carta de São Paulo aos Coríntios ("O amor é paciente... bondoso... não é orgulhoso...", etc. - 1 Cor 13,4). No conjunto, “aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê” (1 Jo 4,20).

Uma pequena catequese do YOUCAT:


A ordem de amor

A caridade não é tida em grande consideração. Uma mulher que conheço bem visita uma senhora acamada num lar de idosos uma vez por semana. Ela faz isso por caridade genuína, não para qualquer ganho. É particularmente bom porque esta senhora idosa não tem mais ninguém. Ela depende de ajudantes e nem sequer consegue sair da cama; ela não tem filhos, e os seus amigos e familiares perderam o contato, ou já faleceram. Esta velha senhora fica feliz como uma criança quando a minha amiga vai visitá-la. E minha amiga também fica feliz quando ouve falar: "Olha para aquela rosa, você me trouxe há exatamente um ano!" - "Mas já não é bonita!" - "Mas ainda é linda porque é de ti!"...

Ocasionalmente, as pessoas dirão à minha amiga: "Visitar a casa de um velho? Isso não é para mim! Só o cheiro!" - como se ela tivesse um passatempo particularmente exótico. Mas a caridade é o maior ato. O filósofo e matemático francês Blaise Pascal (1623-1662) desbanca todas as objeções concebíveis a esse fato ao explicar as três ordens.

A copy of the painting of Blaise Pascal made by François II Quesnel, which was made for Gérard Edelinck en 1691.

O que lhe interessa?

Pascal fala de três ordens no mundo: a ordem mais baixa é a material, mas a humanidade já pode cair num fascínio cego com ela. Podemos desperdiçar horas, dias, mesmo toda a nossa vida em coleções de selos, decoração da casa, ou destaques culinários. Mas quem diria que o mundo material é a última ou maior ordem a ser encontrada? É, como diz Pascal, "infinitamente superado" pela segunda ordem, a ordem do espírito. Não é mais nobre quando a humanidade se dedica a grandes ideais; quando os homens dão tudo de si para que a liberdade, a igualdade, a fraternidade, bem como o conhecimento, a compreensão, a beleza e a verdade se tornem realidade? Não será isto de fato infinitamente superior à devoção às coisas materiais? E, no entanto, as maiores e mais nobres realidades e conceitos da segunda ordem não são nada em comparação com a terceira ordem, a ordem do amor.

A maior ordem de todas é o amor

E aqui - na ordem do amor - Pascal chega a uma realização assustadora, mas imediatamente plausível, que não tinha sido formulada antes desta forma: "Todos os corpos juntos, e todas as mentes juntas, e todos os seus produtos, não valem o menor impulso de caridade". Isso deve ser meditado lenta e cuidadosamente. Talvez assim: a lágrima que se seca da bochecha de uma criança, o suor que se limpa da testa de uma pessoa moribunda, o tempo que se passa com uma pessoa solitária - todos estes pequenos atos são infinitamente maiores, mais significativos, mais próximos do divino do que carros luxuosos, mansões de designers, e iates de luxo ou mesmo um pensamento, literatura, e filosofia. "O maior destes é o amor", diz Paulo em 1 Coríntios 13,13 (um verso das escrituras que vale bem a pena memorizar; merece ser recordado). YOUCAT 402 diz: "Quanto mais o ser humano ama, mais parecido fica com Deus".

É aqui que nos encontramos com a Caridade. Tudo pode ser deixado para trás. Não tenho de recolher selos, não tenho de ficar num palco, não tenho que conhecer países estrangeiros, e não tenho de escalar grandes picos. Tudo isso é bom de se ter. Mas a ordem de amar é urgente. Uma pessoa não ama se não ajudar alguém que tenha caído. Uma criança que por amor brinca com uma criança com deficiência mental da mesma idade faz mais do que alguém que constrói o maior estádio desportivo do mundo, de fato, até mais do que alguém que escreveu um romance brilhante e que é um nome familiar. A criança age dentro da terceira ordem, e o mínimo nesta terceira ordem de amor consegue ser maior do que o máximo na primeira e segunda ordens, do material e do espírito. YOUCAT 321 explica a partir das profundezas de Deus por que fomos colocados em direção à terceira ordem desde a eternidade: "Porque o ser humano é 'imagem' de Deus, é em certo sentido o reflexo de Deus, que, na sua profundidade, não é solitário, mas trino (e, com isso, Vida, amor, diálogo e partilha). Em última análise, é fundamentalmente pelo amor, o Mandamento central de todos os cristãos, que nos pertencemos e nos relacionamos uns com os outros: ‘Ama o teu próximo como a ti mesmo!’ (Mt 22,39)”.

Aos 62 anos, ela foi para o "povo do lixo".

Para Sœur Emmanuelle, uma irmã religiosa, que é tão popular na França quanto o Zidane, a realização do salto qualitativo dado pelas seis pequenas palavras "a mais pequena agitação do amor" tornou-se o ponto de virada decisivo da sua vida. Ela, que tinha um diploma da Sorbonne e era louca pelo conhecimento, decidiu aos 62 anos de idade mudar-se para as lixeiras infestadas de tifo do Cairo, porque muitas pessoas sofriam lá onde as mais pequenas agitações de amor eram necessárias, tais como ar fresco, pão e água limpa. Era a sua vocação dentro de um chamado. Finalmente, ela encontrou o que Santa Catarina de Siena tinha encontrado na caridade: O amor chora com aqueles que choram, alegra-se com a alegria, é mais feliz para o bem-estar dos outros do que para o seu próprio bem-estar. Quantas sociedades existem onde as pessoas vivem nas sombras da ignorância porque caem nas fendas, não são cobertas por qualquer ajuda, e não há leis que as salvem das piores situações. “Uma sociedade aperfeiçoa-se, porém, não pelas leis," diz YOUCAT 329, "mas pelo amor ao próximo, que cada um deve considerar, sem exceção, ‘como um ‘outro eu’’ (Gaudium et Spes 27).”

Não é permitido não amar a si próprio

Isso é o autoesquecimento libertador, uma das coisas mais belas do mundo. Há uma atitude que parece com “autoesquecimento”, mas que é tóxica: é o altruísmo fatal que é comum, particularmente, entre as mulheres. Elas despedaçam-se para todos - o seu marido, os seus filhos, a comunidade da Igreja - mas não se preocupam consigo próprias. Há pessoas que acham consideravelmente mais fácil "amar" o seu próximo do que aceitar a si próprias na sua fraqueza e miséria com um pouco de amor e, se possível, de misericórdia. Cada cristão deve saber: Não é permitido não amar a si próprio. Isto é um pecado, uma ofensa direta contra Deus que está "apaixonado" por vós com a maior intensidade, como Ele está "apaixonado" por todos os outros seres que criou.

E isso também deve ser profundamente meditado: Sou amado não por ser tão grande, mas porque Deus está de olho em mim, porque Ele é louco por mim, porque Ele me ama como se eu fosse o único ser entre o céu e a terra. Santa Teresa d’Ávila, a mística, testemunha que Deus nos ama mais do que nós amamos a nós mesmos. Então como eu posso desprezar a mim mesmo quando Deus me ama infinitamente, mesmo eu sendo fraco?

E o dominicano Meister Eckhart (1260-1328), também um pensador misticamente dotado, dá este critério de autoexame: "Se te amas a ti mesmo, amas todos como a ti mesmo. Enquanto amares uma pessoa menos do que a ti 9próprio, nunca aprendeste a amar verdadeiramente a ti próprio". ∎