qua., 13 de abril de 202210 minutos lidosFather Hans Buob

Domingo de Páscoa

Homilias bíblicas sobre os Evangelhos Dominicais no ano litúrgico C

The Resurrection, by Sebastiano Ricci (ca. 1715).

Passagens bíblicas


João 20:1-18

No primeiro dia da semana, bem cedo, estando ainda escuro, Maria Madalena chegou ao sepulcro e viu que a pedra da entrada tinha sido removida. Então correu ao encontro de Simão Pedro e do outro discípulo, aquele a quem Jesus amava, e disse: “Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o colocaram!” Pedro e o outro discípulo saíram e foram para o sepulcro. Os dois corriam, mas o outro discípulo foi mais rápido que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. Ele se curvou e olhou para dentro, viu as faixas de linho ali, mas não entrou. A seguir, Simão Pedro, que vinha atrás dele, chegou, entrou no sepulcro e viu as faixas de linho, bem como o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus. Ele estava dobrado à parte, separado das faixas de linho. Depois o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, também entrou. Ele viu e creu. (Eles ainda não haviam compreendido que, conforme a Escritura, era necessário que Jesus ressuscitasse dos mortos.) Os discípulos voltaram para casa. Maria, porém, ficou à entrada do sepulcro, chorando. Enquanto chorava, curvou-se para olhar dentro do sepulcro e viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e o outro aos pés. Eles lhe perguntaram: “Mulher, por que você está chorando?” “Levaram embora o meu Senhor”, respondeu ela, “e não sei onde o puseram”. Nisso ela se voltou e viu Jesus ali, em pé, mas não o reconheceu. Disse ele: “Mulher, por que está chorando? Quem você está procurando?” Pensando que fosse o jardineiro, ela disse: “Se o senhor o levou embora, diga-me onde o colocou, e eu o levarei”. Jesus lhe disse: “Maria!” Então, voltando-se para ele, Maria exclamou em aramaico: “Rabôni!” (que significa “Mestre!”). Jesus disse: “Não me segure, pois ainda não voltei para o Pai. Vá, porém, a meus irmãos e diga-lhes: Estou voltando para meu Pai e Pai de vocês, para meu Deus e Deus de vocês”. Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos: “Eu vi o Senhor!” E contou o que ele lhe dissera.

Homilias bíblicas


„No primeiro dia da semana, bem cedo, estando ainda escuro, Maria Madalena chegou ao sepulcro e viu que a pedra da entrada tinha sido removida. Então correu ao encontro de Simão Pedro e do outro discípulo, aquele a quem Jesus amava, e disse: “Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o colocaram!”“ (cf. versículo 1-2)

No primeiro dia, de manhã cedo, quando ainda está escuro, Maria de Magdala vai ao túmulo de Jesus. Esta descrição relativamente precisa da situação externa aponta para algo para além dela, pois estamos aqui a lidar com a Palavra de Deus, e João leva sempre as situações externas a revelar algo fundamental para nós. Neste caso, a escuridão é um sinal de dor, desespero e terror. Jesus está morto e já ninguém acredita na vida, nem mesmo Maria de Magdala. Ela só sobe para ver o Jesus morto mais uma vez.

Mas quando vê que o túmulo está aberto e a pedra foi rolada, não entra e olha, mas corre imediatamente para Simão Pedro e João ("o discípulo a quem Jesus amava") e relata com bastante entusiasmo que alguém levou o corpo de Jesus para fora do túmulo. Como encontrou o túmulo aberto, era bastante claro para ela que o corpo devia ter sido roubado

„Pedro e o outro discípulo saíram e foram para o sepulcro. Os dois corriam, mas o outro discípulo foi mais rápido que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. Ele se curvou e olhou para dentro, viu as faixas de linho ali, mas não entrou.“ (cf. versículo 3-5)

Pedro e o outro discípulo, apesar do seu medo, satisfazem o pedido de Maria de Magdala e vão ver o que se está a passar. É preciso ter em mente que os discípulos ainda tinham muito medo que lhes pudesse acontecer o mesmo que a Jesus, que também eles seriam procurados e crucificados. É por isso que correm para o túmulo com grande pressa, para não serem descobertos. Quase se pode sentir algo deste medo neles.

No entanto, eles saem e vêm ao túmulo. Embora ambos caminhem juntos, João é mais rápido do que Pedro e vem primeiro ao túmulo. João é o discípulo do amor. Isto é sublinhado uma e outra vez. E este amor reconhece. Não conhecemos a Deus com a mente, mas apenas através do amor. Quando amo um Tu, ele pode revelar-se a mim. E o amante agora continua, por isso corre mais depressa do que Pedro. Mas embora chegue primeiro ao túmulo, ele espera. Ele não entra. No seu Evangelho, João reconhece sempre conscientemente Pedro como o primeiro dos apóstolos, como a rocha. É por isso que João deixa Pedro ir primeiro também nesta situação: embora no seu amor ele certamente sinta o impulso de procurar o seu Jesus, ele tem contudo respeito pelo ofício que este Jesus deu a Pedro.

Jesus fala àqueles que o escolheram e assim se tornaram seus discípulos. E o reino que ele promete a estes pobres é na realidade o bem de todos os bens. Mas: tenho primeiro de admitir que tudo é dado. Só então Deus pode dar-me qualquer coisa, nomeadamente o mais alto, o Reino de Deus. Mas primeiro a primeira coisa deve ser verdade, nomeadamente que sou pobre. Se eu sou rico, se quero ser como Deus, então Deus não me pode dar o reino dos céus, então faço-o eu mesmo. Mas o que o homem faz leva ao inferno e não ao céu.

„A seguir, Simão Pedro, que vinha atrás dele, chegou, entrou no sepulcro e viu as faixas de linho, bem como o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus. Ele estava dobrado à parte, separado das faixas de linho. Depois o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, também entrou. Ele viu e creu. (Eles ainda não haviam compreendido que, conforme a Escritura, era necessário que Jesus ressuscitasse dos mortos.)Os discípulos voltaram para casa.“ (cf. versículo 6-10)

John já procurou no túmulo e descobriu as ligaduras de linho. Pedro, porém, entra agora no túmulo e vê não só as ligaduras de linho mas também o pano de rosto que tinha estado na cabeça de Jesus. Assim, gradualmente descobrem uma coisa atrás da outra. Mas apenas de João diz: "ele viu e acreditou". Assim, João, no seu amor, já sentia algo que ainda estava escondido de Pedro. Aqui mais uma vez: o amante reconhece. Peter só vê as ligaduras de linho e o lençol, e ainda não sabe bem o que fazer com elas. Em qualquer caso, é evidente que o corpo de Jesus não pode ter sido roubado, o túmulo foi deixado demasiado arrumado para isso. Portanto, algo especial deve ter acontecido, mas Peter em particular não sabe o quê, porque "ainda não sabiam pelas Escrituras que ele tinha de ressuscitar dos mortos". (V. 9)

Os dois discípulos regressam então simplesmente a casa. Eles não investigaram mais - talvez ainda por medo - o que aconteceu ao corpo de Jesus. John também não escreve nada sobre Peter fazendo agora propaganda em casa. Ele aparentemente nem sequer pensa em algo como a ressurreição.

„Maria, porém, ficou à entrada do sepulcro, chorando. Enquanto chorava, curvou-se para olhar dentro do sepulcro e viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e o outro aos pés. Eles lhe perguntaram: “Mulher, por que você está chorando?” “Levaram embora o meu Senhor”, respondeu ela, “e não sei onde o puseram”. Nisso ela se voltou e viu Jesus ali, em pé, mas não o reconheceu. Disse ele: “Mulher, por que está chorando? Quem você está procurando?” Pensando que fosse o jardineiro, ela disse: “Se o senhor o levou embora, diga-me onde o colocou, e eu o levarei”.“ (cf. versículo 11-15)

Mas Maria não se vai embora. Ela fica junto à sepultura e chora. É o amor novamente que continua a procurar. E enquanto chora, inclina-se uma vez para o túmulo e vê estes dois anjos. Curiosamente, esta aparição angélica parece não lhe tocar em nada. Ela tem procurado Jesus e está tão concentrada nele que nem os anjos a podem distrair, assustá-la ou fazê-la sentir-se insegura. No entanto, estas aparições angélicas, juntamente com as ligaduras de linho e o pano de rosto, são "provas" importantes do túmulo vazio.

Auf die Frage der Engel: Warum weinst Du? nennt sie den Grund ihrer Trauer: „Man hat meinen Herrn weggenommen, und ich weiß nicht, wohin man ihn gelegt hat.“ (V. 13) Doch nicht die Engel antworten ihr, sondern Jesus, der hinter ihr steht und sie so wunderbar fragt: „Frau, warum weinst du? Wen suchst du?“ (V. 15) Hier steht also nicht mehr wie zu Beginn des Johannesevangeliums die erste Frage Jesu „Was sucht Ihr?“, sondern: „Wen suchst Du?“, denn bei dieser Liebenden ist klar, wen sie sucht. Und Maria fragt sogleich nach ihrem Herrn, wobei klar ist, dass sie als Frau den Leichnam wohl kaum alleine würde zurückholen können, aber auch hier finden wir wieder den Ausdruck der Liebenden. Maria von Magdala ist nicht mehr abzubringen von ihrem Vorhaben, sie hat keine Angst mehr vor den Feinden. Sie hat sich total vergessen. Das ist der liebende Mensch, der so auf Jesus ausgerichtet ist, dass er alles riskiert, auch sein Leben.

„Jesus lhe disse: “Maria!” Então, voltando-se para ele, Maria exclamou em aramaico: “Rabôni!” (que significa “Mestre!”). Jesus disse: “Não me segure, pois ainda não voltei para o Pai. Vá, porém, a meus irmãos e diga-lhes:“ (cf. versículo 16-17a)

Jesus simplesmente chama Maria pelo seu nome e ela sente-se imediatamente completamente reconhecida por este nome. Este só pode ser Jesus, a quem ela amou e acompanhou e que a libertou da sua culpa. Ao chamar o seu nome, Maria sente-se dirigida: Estou destinado. Deus refere-se a mim. Jesus refere-se a mim. Sou reconhecido. Ele conhece-me.

E ela, por sua vez, responde com a exclamação: "Rabbuni" - meu mestre. É compreensível que agora que ele está diante dela, ela queira abraçá-lo e tê-lo para si. Ela quer segurá-lo para que ninguém o possa afastar dela.

Mas Jesus respondeu: "Não me abraceis, pois eu ainda não subi ao Pai. (v. 17a) Até agora tinha estado ligado à terra e caminhado sobre ela como um homem de lugar em lugar. Se queria estar com ele, tinha de ir com ele ou tentar agarrar-se a ele. Mas agora Jesus deixa isso claro a Maria: "Já não precisas disso. Agora estou ressuscitado. Quando tiver ido ao Pai, enviarei o Espírito Santo e, através deste Espírito Santo, estarei presente em vós. Estarei presente entre vós. Estarei sempre presente. Já não precisa de me abraçar. Não é necessário correr para Cafarnaum para se encontrar comigo. Já não é necessário ir ao templo em Jerusalém para adorar a Deus porque Ele está lá presente. Esse tempo já passou. Agora estou sempre convosco. Trata-se de uma promessa maravilhosa.

„Estou voltando para meu Pai e Pai de vocês, para meu Deus e Deus de vocês”. Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos: “Eu vi o Senhor!” E contou o que ele lhe dissera." (cf. versículo 17b – 18)

Esta passagem é a única vez que Jesus usa a palavra "irmãos", expressando que os apóstolos entraram agora numa relação completamente nova com o Pai através da redenção: Meu Pai é o vosso Pai e meu Deus é o vosso Deus.

É também interessante que Jesus mande imediatamente Maria embora de novo. Ela estava à sua procura com um desejo sem fim. E agora que ela o encontrou, deverá partir de novo imediatamente. E ela obedece! O amante faz o que a pessoa amada quer. Ela vai ter com estes discípulos cépticos e descrentes, ainda escondidos no medo e ainda incapazes de acreditar, e conta-lhes tudo o que ele lhe disse. Nada sabemos sobre a forma como os discípulos reagiram à mensagem de Maria. Mais tarde, os discípulos de Emaús são informados uma vez: "Algumas mulheres do nosso círculo também nos causaram grande excitação. Estiveram no túmulo de manhã cedo, mas não encontraram o seu corpo. Quando voltaram, disseram que lhes tinham aparecido anjos e disseram que ele estava vivo. Então alguns de nós fomos ao túmulo e encontrámos tudo tal como as mulheres tinham dito; mas elas próprias não o viram". (Lc 24,22-24)

Os discípulos não acreditaram. Mas ela, a amante, reage. O amante reconhece, mas também se deixa mandar embora novamente. Isso é algo maravilhoso. O amante não se agarra, porque querer agarrar-se é amor-próprio. O amante dá livremente e faz aquilo que é a vontade do Senhor. Essa é a expressão do seu amor e assim deve ser connosco. Quanto mais amamos a Deus, mais O conheceremos. Quanto mais amamos Deus, mais teremos um desejo como o próprio Jesus: "A minha comida é fazer a vontade d'Aquele que me enviou". (Jo 4:34). E depois deixar-nos-emos enviar.