sáb., 6 de junho de 202010 minutos lidosBernhard Meuser

Corpus Christi... apenas um show?

A celebração de Corpus Christi é uma celebração solene da Igreja Católica, que celebra a presença permanente de Jesus Cristo no sacramento da Eucaristia.

© Photo by Dulce María on Cathopic.

Definição


Corpus Christi

Desde o ano 1264, a Igreja Católica tem celebrado a Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, com uma solene procissão. Essa celebração acontece na segunda quinta-feira após Pentecostes. Em muitos países, porém, “Corpus Christi” acontece no domingo seguinte. Essa solenidade reconhece a eterna presença de Cristo na Sagrada Eucaristia.

O que a Bíblia diz?


Em toda Santa Missa, a Igreja cumpre o mandamento de Cristo, que, na noite anterior a Sua morte, instituiu a Sagrada Eucaristia e ordenou aos discípulos: “fazei isto em memória de mim” (1Cor 11, 24). Ao fazê-lo, a Igreja toma literalmente as palavras que Cristo disse sobre o pão e o vinho: “Isto é o meu corpo... isto é o meu sangue” (Mc 14, 22.24). Esta fé na presença literal de Cristo (real presença) nos dons transubstanciados do pão e do vinho se tornou cada vez mais forte na história da Igreja, de modo que o Concílio de Trento (1545-1563) definiu solenemente que no Santíssimo Sacramento da Eucaristia “estão contidos verdadeira, real e substancialmente o Corpo e o Sangue juntos da Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, e consequentemente o próprio Cristo”. No Corpus Christi, toda a Igreja confessa publicamente as palavras provocativas de Jesus: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo” (Jo 6, 51). No pão transformado, o mundo vê o início de uma transformação que já começou e irá, um dia, envolver tudo que foi criado, pois nós estamos esperando um “um novo céu e uma nova terra” (Ap 21, 1).

Uma pequena catequese do YOUCAT: 


Corpus Christi... apenas um show?

Martinho Lutero, como todos sabemos, não era amigo do cortejo de Corpus Christi. Foi "idolatria", este esforço feito no meu país de origem para fazer de Corpus Christi o ponto alto de toda a cidade no início do Verão? O evento festivo atraiu tanto crentes como não crentes às ruas - uns como espectadores, outros como participantes. Foram cortadas bétulas verdes, as cores alinhadas no caminho da procissão e penduradas bandeiras de vários metros de comprimento nas janelas. As montanhas de relva foram cortadas para cobrir o cinzento do pavimento. As entradas das casas foram transformadas em altares. Por todo o lado, as flores brilhavam nos caixilhos das janelas e as velas cintilavam com o vento, a sua cera gotejando em belos panos bordados. As pessoas estavam numa fila na rua de honra.

© Photo by Luis Ángel Espinosa on Cathopic.

E depois veio o tambor místico, envolto numa pitoresca nuvem de incenso, e a banda musical: a grande procissão, o portador da cruz à frente, as crianças da primeira comunhão regando pétalas de rosa, delegações de bandeiras de associação, grande exibição de bombeiros. Sob o "céu" (um telhado de pano portátil): a monstrança, o sagrado dispositivo apontador de ouro, que carregava no seu centro o misterioso núcleo do enorme esforço: um pequeno pedaço de pão insípido, multiplicável por milhares de milhões, mas infinitamente carregado de significado através de uma palavra de Cristo: "Este é o meu corpo, que morre por vós". (1 Cor 11:24).

Lutero não tem razão? De um ponto de vista rígido, a cena original com Jesus era sobre uma refeição festiva. Em YOUCAT 208 ele diz: "Quando comemos o pão partido, estamos unidos com o amor de Jesus, que entregou o seu corpo por nós na cruz; quando bebemos do cálice, estamos unidos com Aquele que na sua entrega até derramou o seu Sangue. E um jantar festivo não deve ser organizado novamente, se se quiser seguir o convite de Jesus: "Fazei isto em memória de mim". (1 Cor 11,24) Em vez de correrem para o exterior e fazerem um espectáculo, onde alguns mostram a sua fé e (alguns apenas) a sua roupa, enquanto outros zombam, rolando os olhos?

Não há nada para ver? Só comida?

De Pierre Rousselot, um jovem jesuíta que morreu na Primeira Guerra Mundial, a palavra vem de "Olhos de Fé"; referia-se ao poder sobrenatural do conhecimento do amor. Pode ser que aquele que não vê nada neste pedaço de pão em torno do qual tudo gira, mas para o outro, que reconhece o amor no amor, um mundo se abre.

Em 2002 morreu um homem que é venerado como herói na sua pátria, a Roménia. O Cardeal Alexandru Tódea passou 31 anos da sua vida em prisões comunistas, 15 anos em prisão solitária. Uma vez, após anos, o padre foi transferido para outra prisão. Amarrado na carruagem do comboio, viu os seus guardas do serviço secreto "Securitate" desembrulhar o seu pão e abrir uma garrafa de vinho. Tódea estava com fome. Mas outro desejo ardia-lhe nos olhos: "Meu Deus, não pude celebrar a Santa Missa durante tantos anos. E há pão! E há vinho!" Por fim, perguntou aos guardas: "Dá-me uma migalha de pão e um gole de vinho!" Um dos guardas teve pena dele. Ele não conseguia ver as vibrações dentro do padre. A Eucaristia invisível no estrondoso vagão do comboio foi a mais intensa da sua vida. Aqui tinha recebido a força para suportar todas as torturas, humilhações e solidões que se lhe deparariam.

Ao longo da história da Igreja, sempre houve pessoas que arderam por uma realidade espiritual invisível, como os 49 mártires de Abitene, executados em 304 pelo Imperador Diocleciano por dois crimes: 1. por se recusarem a publicar os "livros sagrados", e 2. por se manterem firmes na celebração da Santa Eucaristia: "Não sabeis", diz-se que o padre Saturnino se defendeu, "que o cristão existe para a Eucaristia e a Eucaristia para o cristão? Por que é que isto é tão importante? Em YOUCAT 180 ele diz: "Jesus dá a sua vida por nós, para que possamos oferecer-lhe o sacrifício espiritual das nossas vidas". Rendição em troca de rendição... é essa a essência do cristianismo.

Para mostrar algo de Jesus...

Mostrar algo especial sobre Jesus foi a ideia de um menino de 16 anos sem pais no século XIII. Liège deve ter sido, na altura, uma espécie de ponto quente espiritual. Havia ali um movimento que era fascinado apenas por um pensamento: será que o Senhor é tão real nas formas de pão e vinho mesmo agora e hoje que só se pode ajoelhar perante ele? O Papa Bento XVI chamou ao Liège desses anos um "Cenáculo Eucarístico". Uma rapariga chamada Juliana. Em 1209 Juliana teve uma ideia... não realmente uma "ideia", mas uma inspiração na oração. Mas, bem... Deveríamos ter uma festa radiante com a presença eucarística de Cristo! Não bastava ter a Quinta-feira Santa, onde o mistério do amor de Cristo estava escondido como se estivesse à sombra da cruz.

Isto não foi ideia de um adolescente maluco. Cinquenta e cinco anos mais tarde, o festival estava a ser realizado em todo o mundo. Em 1264 o Papa Urbano IV introduziu o Sollemnitas Sanctissimi Corporis et Sanguinis Christi - a "Festa do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo". Muito aconteceu nos 55 anos que se seguiram. Entre outras coisas, os espíritos mais sábios do seu tempo, especialmente o dominicano Thomas Aquinas e o franciscano Boaventura, cinco anos mais velho, lidaram com o mistério da Eucaristia. Os textos foram tão inspirados e poderosos que - diz-se - Bonaventure colocou, sem cerimónia, as suas próprias tentativas no caixote do lixo.

The Vision of St. Juliana, by Philippe de Champaigne.

A beleza regressa

A festa de Corpus Christi abre os nossos olhos para duas realidades muito belas: 1) No meio da ausência de amor e esperança, no meio do grande silêncio sobre Deus, as pessoas tornam-se visíveis para aqueles para quem algo é extremamente precioso. Parece que há algo que vale qualquer preço, mas que o dinheiro não pode comprar. Talvez também se torne evidente que "o homem nunca é maior do que quando se ajoelha diante de Deus em livre rendição". (YOUCAT 485) 2. as pessoas levam Jesus para a rua com gratidão e alegria. Porque ele não pertence à igreja. Jesus veio para redimir o mundo. Foi por isso que ele se entregou à cruz. Todos aprendemos novamente que Jesus tomou pão e vinho, "para oferecer neles a Deus toda a criação transformada". A ação de graças de todo cristão está em união com a grande oração de ação de graças de Jesus. Porque também nós somos transformados e redimidos em Jesus; por isso podemos estar gratos do fundo do nosso coração e dizer isso a Deus de muitas maneiras.

Algo paradisíaco, uma fragrância, um brilho, regressa às nossas cidades, vilas, biografias.

Como poderia ser um "Corpus Christi Update"?

"Não há maneira purista", diz Benjamin Leven. "E se, no próximo ano, numa cidade episcopal, toda a energia criativa fosse investida na preparação deste festival? Na noite anterior, seria apresentada uma peça de teatro misteriosa na praça da catedral, especialmente escrita por um escritor contemporâneo. Os tapetes florais das estações teriam sido desenhados por artistas de arte de rua. A procissão incluiria uma capela de samba. Após a procissão, o bispo convidaria mil pobres e desabrigados para uma refeição na praça da catedral e os serviria pessoalmente. E à noite a festa terminaria com fogo de artifício". ∎