sex., 20 de agosto de 202110 minutos lidosBernhard Meuser

Luxúria

Exigir algo - e exigi-lo fortemente - pertence ao homem.

Ⓒ Photo by cottonbro from Pexels

O que é isso?


Exigir algo - e exigi-lo fortemente - pertence ao homem. Deus criou-o de tal forma que ele tem necessidades básicas (querer viver, tornar-se pleno, multiplicar-se), para os potentes acionamentos pré-racionais que correspondem: a condução de poder, a condução de autopreservação, a condução sexual. O Nono dos Dez Mandamentos, é dito no YOUCAT 462: "O Nono Mandamento proíbe, não os desejos em si, mas sim desejos desordenados. A "cobiça” contra a qual A Sagrada Escritura adverte que é a regra dos impulsos sobre a mente, o domínio dos impulsos sobre a pessoa inteira, e a pecaminosidade que causa". A atracção erótica entre o homem e mulher, diz YOUCAT 462: "...foi criado por Deus e é, portanto, bom; é parte da natureza sexual e constituição biológica de uma pessoa. Assegura que o homem e a mulher podem unir-se uns aos outros e os descendentes podem brotar do seu amor". A palavra latina concupiscence (para desejo maligno) refere-se à desintegração das forças motrizes naturais, a resistência ao bem e à inclinação contínua para o mal, que permanece com o homem mesmo depois do seu baptismo. "A cobiça leva à ganância, avareza, roubo, roubo e fraude, violência e injustiça, inveja e desejos imoderados possuir o que pertence a outros". (YOUCAT 465)

O que a Bíblia diz?


Os Nono e Décimo Mandamentos são dedicados ao desejo errado: "Não cobiçarás a casa do teu próximo; não cobiçarás a mulher do teu próxi­mo, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu boi, nem seu jumento, nem nada do que lhe pertence" (Êxodo 20,17). No Novo Testamento, o domínio da luxúria sobre o homem é basicamente superado - II São Pedro 1,3 diz que o "poder divino deu-nos tudo o que contribui para a vida e a piedade, fazendo-nos conhecer aquele que nos chamou por sua glória e sua virtude". (Tito 2, 11-12) -, porque se entregar ao domínio dos falsos desejos e luxúrias é considerado a marca de um modo de vida ultrapassado; assim Paulo exorta em Efésios 4, 22-25: "Renunciai à vida passada, despojai-vos do homem velho, corrompido pelas concupiscências enganadoras. Renovai sem cessar o sentimento da vossa alma, e revesti-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade. Por isso, renunciai à mentira. Fale cada um a seu próximo a verdade, pois somos membros uns dos outros."

Uma pequena catequese do YOUCAT:


Os abismos são habitáveis

Quando a minha alma era um campo de batalha e tanto, visitei os monges em Taizé. A pequena aldeia na Borgonha, França, é um lugar maravilhoso para vir descansar, rezar, ler as Escrituras. E, claro, eu tinha vindo (como milhares de outros) por causa disso, por causa do lendário irmão Roger Schutz. Nessa altura, as pessoas foram a Taizé para o ouvir e para receber instruções das profundezas da presença divina. Passaram-se alguns anos até que o velho Prior da comunidade fosse assassinado no Verão de 2005. Não ficámos desapontados. O que o ancião tirou do silêncio foi emocionante. Já não consigo reproduzir as palavras, mas mais tarde voltei a encontrá-las num dos seus livros. Era sobre o caos em mim, o conflito selvagem na minha alma, com os quais eu acreditava estar sozinho no mundo. Mas lá estava eu para estar enganado. O irmão Roger falou de uma realidade "em cada um de nós".

Brother Roger Schütz, Founder of Taizé Community.

Como? Em cada um de nós?

O irmão Roger disse-nos: “Em cada um de nós há abismos, incógnitas, dúvidas, paixões selvagens, dores secretas,... mas também sentimentos de culpa, nunca admitidos, de tal forma que se abrem imensos vazios para nós. As urgências agitam-nos, não se sabe de onde elas vêm - memórias primordiais ou determinação genética? "Até então, era a admissão de que o homem em quem vimos uma espécie de santo estava familiarizado com os abismos atrás dos olhos, com o desejo selvagem, o caos mental, o conflito e o vazio interior. Mas o sábio pai monge não parou por aí. Ele deu-nos uma promessa: “se deixarmos Cristo rezar em nós com confiança infantil, um dia os abismos serão habitáveis. Um dia, mais tarde, descobriremos que uma revolução teve lugar dentro de nós". Deixem-me traduzir: não rezes! Deixa Cristo rezar em ti! Não desejes! Deixa Cristo entrar em ti com desejo! Não procures! Deixa Cristo procurar em ti! E isso diz tudo, na verdade.

Desejo Budista e Cristão

No século XX, teve lugar um encontro fascinante em vários lugares da Europa, Ásia e América: pela primeira vez na história das duas religiões, monges cristãos e budistas passaram um certo tempo a viver juntos, a rezar e a aprender um com o outro. No processo, falaram também de ZEN e de "não cobiçar". Esta ordem de cessação impressionante existe tanto no budismo como no cristianismo. Os cristãos conhecem-na dos Dez Mandamentos: "Não cobiçarás a mulher do teu vizinho, os bens do teu vizinho e os bens móveis do teu vizinho". Tomemos um texto do budismo taoísta para comparação: Bodhidharma, um mestre do século VI, ensina: "Onde quer que haja desejo, encontrais sofrimento; quando o desejo cessa, estais livres do sofrimento. O não-desejo é o caminho para a verdade. Por conseguinte, digo-vos: Sê sem desejo"! No seu clássico “Ser e Ter” (1976), o filósofo social e psicanalista Erich Fromm (1900-1980) também notou este acordo. Budismo e Cristianismo unem-se em protesto contra práticas humanas que prometem felicidade através do "ter" - e não através do "ser". A "ganância" diz Erich Fromm, "é sempre o resultado de um vazio interior". As pessoas que vivem no modo ter caem na ganância; só são algo se possuírem o máximo possível; definem-se pela quantidade e esplendor dos objetos que os rodeiam; dizem, “eu sou o que tenho”. A pessoa gananciosa só tem amor pelos mortos; não pode amar os vivos. Não pode deixar a bela flor de pé; deve destrui-la para a possuir. Por isso, ele saqueia, rouba, conquista e mata. No fim, ele tem tudo e não é nada. A ganância pelas coisas mortas deve ser estendida hoje em dia, olhando para a ganância pelas imagens mortas que encontramos na pornografia. Aqui, também se pode ter tudo e não se recebe nada. O que é necessário são miragens. A pessoa em carne e osso, para quem se anseia - é um bluff electrónico. O "você" é o monitor que oferece os objetos de desejo em variedade ilimitada. Nenhum encontro humano tem lugar. A concupiscência, o falso desejo, traz uma satisfação que rouba a paz. Só alimenta a fome e acumula tesouros que não existem. E também aqui, o que se aplica ao vício das coisas mortas: "Seu idiota!" diz o Deus dos cristãos, "Nesta noite ainda exigirão de ti a tua alma. E as coisas que ajuntaste de quem serão? Assim acontece ao homem que entesoura para si mesmo e não é rico para Deus" (São Lucas 12, 20-21). Mestre Bodhidharma recomendaria agora, "A não exigência é o caminho para a verdade". Uma intersecção com o bíblico: "Não cobiçarás...". (Deuteronômio 5,21).

Um consenso enganador

O acordo é enganoso; é um consenso na superfície. O budismo e o cristianismo chegam à mesma conclusão por razões diametralmente opostas. O budista não deve desejar, porque a plenitude das coisas é falácia. Ele não deve cobiçar para que a vida não continue a ser um exagero. "Toda a vida é sofrimento" é a primeira frase das "quatro nobres verdades" de Buda. Superar o sofrimento acontece em superar a ganância, em rejeitar os nossos desejos, em ver através deles como mentiras, em dizer não. Para os budistas, portanto, é sensato quebrar o hábito de desejar ser feliz sem desejos. Uma mensagem muito pessimista! O "não desejar!" de um cristão tem razões completamente diferentes. Os cristãos assumem que tudo o que Deus criou é bom. As coisas são tentadoras porque nelas ainda repousa o esplendor e o reflexo da criatividade divina: "Bonitas são as flores, mais bonitas são as pessoas...", diz um antigo hino. Devemos regozijar-nos com tudo o que é criado, mas não devemos tornar o reflexo num ídolo. Paulo recomenda "ter" como se não tivéssemos, "os que compram, como se não possuíssem; os que usam deste mundo, como se dele não usassem". (1 Coríntios 7, 30-31). Por quê? Porque o homem está destinado a um excesso de realização e não deve ceder os seus desejos a objetos que são demasiado pequenos para o satisfazer verdadeiramente.

Desejoso e feliz

E o vazio que se abre quando compreendemos que ainda podemos atirar tantos títulos de balanços da conta bancária, diplomas universitários, super-homens/prémios, destaques de viagens e SUV de luxo para o buraco do nosso anseio sem sequer chegar perto de o preencher? A imagem dos abismos dentro de nós que um dia "serão habitáveis" teve o irmão Roger associado ao nome de Cristo a rezar em nós, chamando em nós pelo "Abba". Só Deus faz alguém feliz sem desejo. Desejar algo - e desejá-lo fortemente - pertence ao homem. Deus criou-o dessa forma. Ele não deve desperdiçar o seu desejo com os inúteis: Ele deve ter um vazio para Deus. Valorizar e desejar o bem onde quer que ele apareça leva-nos apenas ao Bem que vale tudo, ao Deus sem preço que não pode ser comprado. No mesmo fôlego com a exigência de "não cobiçar!" é preciso, portanto, lembrar sempre a frase escandalosamente provocadora de Teresa de Lisieux (1873-1897): "Nunca podemos esperar demasiado de Deus; recebemos dele tanto quanto esperamos". ∎