Fri, August 27, 202110 minutos lidosBernhard Meuser

Mentir

As mentiras nascidas da necessidade ou ditas em brincadeira, a difusão de rumores, a difamação, as omissões mentirosas, e o exagero também violam o mandamento da veracidade.

Ⓒ Photo by Jametlene Reskp on Unsplash

O que é isso?


Uma "mentira" é uma afirmação deliberadamente falsa (e é por isso que um "erro" por si só não constitui uma mentira). YOUCAT 452 declara: "Mentir significa consciente e intencionalmente falar ou agir contra a verdade. Alguém que mente engana-se a si próprio e engana os outros que têm o direito de conhecer a verdade completa sobre um assunto". Pode-se mentir com palavras, mas também com o corpo; assim YOUCAT 403 declara, "Pessoas que procuram sexo sem amor estão a mentir porque a proximidade dos seus corpos não corresponde à proximidade dos seus corações". A mentira "é uma forma de violência" (YOUCAT 452); destrói qualquer comunidade no início, porque o mentiroso já não é de confiança. Chamar a Deus quando se está a mentir é especialmente repreensível. "Deus", diz YOUCAT 359, "é a verdade absoluta. Alguém que chama a Verdade pelo seu próprio nome, mas a usa para testemunhar uma mentira peca seriamente". Os cristãos são obrigados a "dar testemunho da verdade", seguindo Cristo nisto, que disse perante Pilatos: "É para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz" (São João 18,37). Isto pode até significar que um cristão dá a sua vida por fidelidade à verdade e amor a Deus e à humanidade. Esta última forma de compromisso com a verdade é chamada martírio" (YOUCAT 454). As mentiras nascidas da necessidade ou ditas em brincadeira, a difusão de rumores, a difamação, as omissões mentirosas, e o exagero também violam o mandamento da veracidade.

O que a Bíblia diz?


Jesus chama ao demónio "o pai da mentira" (São João 8,44). Já no Antigo Testamento, as mentiras aparecem como sinais do mal básico. O salmista reza: "Afastai-me do caminho da mentira, e fazei-me fiel à vossa Lei." (Salmos 119,29). É por isso que a proibição da mentira ("Não levantarás falso testemunho contra teu próximo", (Êxodo 20,16) é encontrada como o oitavo nos Dez Mandamentos. O falso testemunho, exigência do Deuteronômio 19,19, deve ser punido com os meios mais duros: "Assim, tirarás o mal do meio de ti". Jesus reitera o mandamento do discurso verdadeiro: "Dizei somente: ‘Sim’, se é sim; ‘não’, se é não. Tudo o que passa além disso vem do Maligno" (São Mateus 5,37). Aqueles que querem pertencer a Jesus não podem, ao mesmo tempo, permanecer em estados falsos: "Se dizemos ter comunhão com ele, mas andamos nas trevas, mentimos e não seguimos a verdade” (I São João 1,6). Assim, o apóstolo exorta aqueles que chegaram à fé: “Renunciai à vida passada, despojai-vos do homem velho, corrompido pelas concupiscências enganadoras.Renovai sem cessar o sentimento da vossa alma, e revesti-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade. Por isso, renunciai à mentira. Fale cada um a seu próximo a verdade, pois somos membros uns dos outros.” (Efésios 4, 22-25). No dia do julgamento, quando os 144.000 que seguiram o Cordeiro forem chamados perante o trono, serão reconhecidos por um certo critério: "Em sua boca não se achou mentira, pois são irrepreensíveis" (Apocalipse 14,5).

Uma pequena catequese do YOUCAT:


Só tenho uma falha: minto.

Todas as pessoas têm algo a esconder. Basicamente, elas sabem que não funciona muito bem. Numa sátira de Wolfgang Hildesheimer, alguém se diverte a chamar todos os tipos de pessoas do bairro, uma a uma: "Ouçam, tudo é descoberto..." - "O quê, tudo ...?" - "Sim, tudo! ... Fujam!" Pouco a pouco, as luzes vão-se apagando nas redondezas. Os que são chamados procuram a sua salvação em demandada. Ninguém pode confiar em ninguém. Todos nós temos algo que não queremos que ninguém saiba. Não seria terrível se fôssemos descobertos com as mentiras da nossa vida?

Wolfgang Hildesheimer

A loucura normal da mentira

Um pouco de batota faz parte do negócio, dizem muitos - e ficam surpreendidos quando meias verdades e declarações completamente falsas fazem parte dos pequenos princípios básicos da política. É considerado bastante normal quando as estatísticas são ideologicamente manipuladas ou quando os estudos são encomendados com resultados desejados. Faz-se comum “regulamentos lingüísticos” e sabe-se exatamente que se trata de uma forma de mentira socialmente aceite. "Não confiem em qualquer balanço que não tenham falsificado", que engane os outros, que dê um pequeno abanão à realidade. O resultado, o sucesso têm de vir! Isto é, acima de tudo. Para se controlar as coisas, é necessária uma boa estratégia, ou seja, um plano de batalha. A propósito, a palavra "estratégia" vem do grego antigo e significa "comandante". Agora as estratégias não são más em si mesmas; de facto, ter uma estratégia é um sinal de prudência e de ação ponderada. Nenhum comerciante, nenhuma empresa comercial pode passar sem uma estratégia. Mas a longo prazo, a relação entre todos aqueles que querem algo uns dos outros é baseada numa única palavra: confiança. Jean-Paul Getty, que em tempos foi o homem mais rico do seu tempo, tem a reputação de ter dito: "Se se pode confiar num homem, não há necessidade de um contrato. Se não se pode confiar nele, um contrato é inútil".

Não há vida certa na vida errada

Se alguém lhe disser: "Só tenho um defeito: Eu minto", não cairá entusiasticamente à volta do seu pescoço porque está muito próximo da perfeição. Não se pode confiar nele. Ele poderia ter mentido e, na verdade, ter todas as falhas deste mundo dentro dele. Com tal pessoa não é possível nenhuma amizade, nenhum contrato, nenhuma relação amorosa, nenhum negócio, nenhum compromisso, nenhuma conversa. O comum não teria qualquer base. "Não há vida certa na vida errada", disse certa vez o filósofo Adorno, na sua "Mínima Moralia". Teria sempre de recear ser enganado. As transições fluidas em que a verdade é sacrificada em nome da utilidade entraram na nossa vida quotidiana, tanto em grandes como em pequenas formas. E isto é fatal, porque com cada piscar de olhos, com cada aceitação de linguagem incorreta ou de relações incorretas, toda a sociedade se torna cada vez mais permeada por uma teia de mentiras, até chegar ao ponto em que todos só estão a mexer na sua verdade, que afirmam com astúcia e artimanha. Aqueles que dão a mão à mentira e à corrupção tornam-se mentirosos e corrompem-se a si próprios. E quando isto acontece na Igreja, estamos a enfrentar o abismo que se está a abrir na crise do abuso.

Como se pode restaurar a confiança?

Mas como é que a confiança regressa ao mundo? Havendo cada vez mais pessoas que depõem as suas armas e se mostram como são: fracas, vulneráveis, erradas, enredadas no pecado, pouco apresentáveis. Tais pessoas são um convite aos outros para também se libertarem da sua identidade falsa e se mostrarem como são: fracas, vulneráveis, errantes, enredadas no pecado, não completamente apresentáveis.

Os cristãos têm uma vantagem de conhecimento: eles estão conscientes de que são "descobertos". Existe Deus - "Escutai, Senhor, a voz de minha súplica.” (Salmos 139,7) Onde estaria o lugar entre o céu e a terra onde se poderia estar a salvo da verdade? Diante de Deus, não posso vestir a minha vida; no plural: ... não podemos disfarçar as nossas circunstâncias. O que é reconfortante é que Deus nos ilumina, mas não nos queima. A minha fé cristã torna mais fácil para mim ser autêntico e encontrar a minha verdadeira vida. Pedaço a pedaço, posso partir as cascas dos ovos da minha identidade mentirosa e entrar na luz do dia de Deus. A minha força não seria suficiente para o fazer. Mas sou convidado a juntar-me àquele que quebrou a reação em cadeia de eu-minto-tu-mentes. "Sim, eu sou rei. É para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo." (São João 18,37). A verdade é apenas mais um nome para Deus. Deus é a verdade - como Ele é a luz. Completamente transparente. Sem contradição.

Agora somos chamados, em trevas e contradições de problemas, a entrar em contato com este mesmo Deus, mesmo para nos unirmos a Ele. Cristo veio para trabalhar fora das nossas mentiras, para nos reconciliar com Deus, para estarmos de pé. Nós mentimos, nós fugimos da verdade, de Deus e de nós próprios - todos nós "nos tornámos presentes, pelo sangue de Cristo" (Efésios 2,13). Não há mais razão para mentir e não há mais razão para o encobrimento. E depois Konrad Adenauer recomendou: "Deves dizer sempre a verdade porque um dia não serás capaz de te lembrares das tuas muitas mentiras". ∎