sex., 30 de abril de 20215 minutos lidosminicatNina S. Heereman, SSD

Solenidade da Ascensão

O que celebramos na Solenidade da Ascensão?

Ⓒ Photo by Blake Cheek on Unsplash

O que celebramos na Solenidade da Ascensão? Na primeira leitura, nós ouvimos que Jesus apareceu aos discípulos durante 40 dias e contou-lhes sobre o Reino de Deus. O Reino de Deus e a Solenidade da Ascensão têm muito a ver um com o outro. No entanto, temos de ter cuidado com duas ideias ingênuas:

  1. O primeiro mal-entendido: As pessoas podem pensar que o Céu, que esperamos alcançar no fim das nossas vidas, é simplesmente o paraíso do Éden reencontrado. De acordo com as Escrituras: Adão e Eva foram forçados a sair deste jardim que flui com leite e mel, e quando morremos, voltaremos lá e ficaremos cheios de boa comida - um completo absurdo! A imagem do paraíso no Antigo Testamento é um símbolo da primeira criação, que foi perfeita: sem morte, sem guerra, sem sofrimento, etc. Esta criação foi destruída pelo pecado do homem. Desde então, sofremos com a guerra e especialmente com a morte. Mas em Jesus, Deus tornou-se homem. Isto em si mesmo é incrível. Ele veio a este mundo destruído como se houvesse um terremoto ou um tsunami. Ele entra no tempo e submete-se aos sofrimentos da velha criação. Com a sua morte, leva a velha criação consigo para a morte e ressurge. Através da ressurreição de Cristo, ocorre uma nova criação absoluta, algo radicalmente novo. O seu corpo ressuscitado é o início do Reino dos Céus.

  2. O segundo mal-entendido: Quando Jesus for hoje ao Pai, não é como se Ele fosse para o lugar mais alto do Universo, como um astronauta. Yuri Gagarin (cosmonauta soviético e o primeiro homem no espaço) tem razão: Deus não se encontra lá. Jesus prefere entrar na sua humanidade numa realidade completamente diferente. Pela primeira vez, um ser humano entrará no interior da Trindade, que é puro espírito. Jesus, que é simultaneamente Deus e homem, Ele, o Verbo, o Filho do Pai, tornou-se humano. Este corpo é ressuscitado e é uma nova criação. Com a sua humanidade, o Filho de Deus volta agora para o lugar de onde Ele veio: para o coração da relação entre Pai, Filho e Espírito Santo. Assim, o céu abre-se para nós simplesmente porque estamos unidos ao Corpo de Cristo através do Batismo. E é por isso que a Carta aos Colossenses diz: "Sede contentes e agradecidos ao Pai, que vos fez dignos de participar da herança dos santos na luz. Ele nos arrancou do poder das trevas e nos introduziu no Reino de seu Filho muito amado, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados. Porque aprouve a Deus fazer habitar nele toda a plenitude e por seu intermédio reconciliar consigo todas as criaturas, por intermédio daquele que, ao preço do próprio sangue na cruz, restabeleceu a paz a tudo quanto existe na terra e nos céus." (Cl 1,12-14,19-20). Isto significa que já vivemos no Pai, porque Cristo habita em nós. Embora ainda vivamos na terra, também já estamos com o Pai através da nossa união com Cristo. Vivemos isto verdadeiramente quando vivemos e praticamos realmente a nossa fé. Através disto, temos esta experiência que no nosso coração, especialmente quando recebemos a Eucaristia, já estamos no Pai. É por isso que a Solenidade da Ascensão é uma razão incrível de alegria, porque a nossa vida já está "escondida com Cristo em Deus" (Cl 3,3). Ao mesmo tempo, estamos à espera que Cristo venha de novo e espalhe o Reino de Deus por toda a parte. O que é este Reino de Deus? "O Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e gozo no Espírito Santo" (Rm 14,17). A vida na Igreja é o Reino de Deus, agora já existente invisivelmente, no qual Cristo é entronizado à mão direita do Pai, e que se está a espalhar através do nosso testemunho. É por isso que temos de rezar todos os dias: "Vem, Senhor Jesus!" (Ap 22,20). Pedimos isto todos os dias na Santa Missa, quando dizemos: "Anunciamos, Senhor, a Vossa Morte, e proclamamos a Vossa Ressurreição. Vinde Senhor Jesus". Rezamos pelo regresso de Cristo. É por isso que o anjo diz: "Homens da Galileia, por que ficais aí a olhar para o céu? Esse Jesus que acaba de vos ser arrebatado para o céu voltará do mesmo modo que o vistes subir para o céu" (At 1,11). Jesus voltará como Ele partiu, sobre as nuvens do céu. Quem afirma ser o Messias, mas não vem sobre as nuvens do céu, não o é! Portanto, cumpramos o nosso dever: vamos ao mundo, proclamando Cristo e oremos: "Vem, Senhor Jesus", para que Ele possa regressar em breve. Mas durante os nove dias que se seguem à Ascensão, unamo-nos antes de mais intensamente em oração e rezemos pelo Espírito Santo que Jesus nos prometeu. ∎