Thu, June 3, 20215 minutos lidosminicatNina S. Heereman, SSD

Corpus Christi

O Concílio Vaticano II chamou-lhe mais precisamente a “Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo”, porque celebramos não só o dom do seu Corpo, mas também o dom do seu Sangue.

Hoje a Igreja celebra a Festa de Corpus Christi. O Concílio Vaticano II chamou-lhe mais precisamente a “Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo”, porque celebramos não só o dom do seu Corpo, mas também o dom do seu Sangue.

De onde vem este banquete? No século XIII, Santa Juliana de Liège (1193-1258) viveu na Bélgica. Aos 16 anos de idade, teve uma visão durante a Santa Missa. Ela viu uma lua cheia, brilhante, atravessada diametralmente por uma faixa escura. Mais tarde, durante a adoração, ela perguntou ao Senhor sobre o significado da lua e a sua faixa escura. Jesus fê-la compreender que a lua brilhante representava o ciclo festivo do ano litúrgico. O Ano Litúrgico da Igreja é a celebração do mistério de  Cristo no decorrer de um ano – cada festa escolhe um mistério da vida de Jesus, do Seu ministério e contempla-o com maior profundidade. Na semana passada foi Domingo da Santíssima Trindade; noutros dias, por exemplo, é o nascimento de Jesus no Natal ou a Sua morte e ressurreição na Páscoa, a sua Ascensão, etc.

Jesus expressou que a risca escura significava que faltava um banquete no ano eclesiástico. É importante saber que a lua tem sido uma imagem para a Igreja desde a época dos Padres da Igreja. A lua não tem luz própria, mas reflete a luz do sol na noite do mundo e assim ilumina a escuridão. Da mesma forma, a Igreja não tem luz própria, porque é constituída por seres humanos que não trazem luz divina própria. No entanto, através do sacramento do Batismo, Deus tomou lugar entre nós, e por isso transportamos esta luz divina nos frágeis vasos do nosso corpo. A tarefa dos batizados como Igreja, é refletir a luz de Deus neste mundo. Uma das formas em que a Igreja reflete a luz de Cristo é celebrando os mistérios da vida de Jesus no Ano da Igreja. É por isso que Jesus disse a Juliana: “Falta uma festa importante, aquela que comemora a instituição da Eucaristia; onde permaneço presente entre vós em corpo e sangue”. Juliana partilhou então primeiro a visão com o seu confessor e depois com o bispo de Liège, que acreditou nas visões da santa. Assim, aconteceu que a festa pôde ser celebrada localmente pouco depois. Mais tarde o Papa Urbano IV, que era o arcebispo da Diocese de Liège na altura das visões, acabou por impor o que Jesus já tinha dito a Santa Juliana, que o Corpus Christi deveria tornar-se uma festa para o mundo inteiro celebrar.

O Papa não era então residente em Roma, mas vivia em Orvieto. Pouco antes, um milagre eucarístico tinha-se realizado lá. Um prelado tinha feito uma peregrinação da Boémia a Roma e tinha celebrado a Eucaristia nas proximidades de Bolsena. Durante a Consagração, ele foi subitamente afligido com súbitas dúvidas sobre se realmente tinha nas suas mãos o Corpo e Sangue de Cristo. Então, para seu choque total, gotas de sangue saíram da hóstia durante o partir do pão e caíram sobre o corporal (o pano branco que é colocado sob a Eucaristia). Isto removeu a sua incerteza. O milagre, cujos vestígios eram permanentemente visíveis no corporal, espalhou-se rapidamente até Roma. Assim, em 1264, o Papa começou a celebrar a festa de Corpus Christi em Orvieto e confiou a São Tomás de Aquino a composição dos textos litúrgicos para a festa. Ainda hoje usamos estes textos na liturgia, por exemplo, o belo hino “Eu vos adoro devotamente, ó Divindade escondida”. Até hoje ainda comemoramos no Corpus Christi o legado de Jesus, a doação do seu corpo e sangue, que de facto já celebramos na Quinta-feira Santa. No entanto, na Quinta-feira Santa celebramos juntos vários mistérios da fé: a instituição do sacerdócio e a instituição da Eucaristia, ou seja, a consumação de todo o mistério da salvação neste único sacramento. No Corpus Christi, destacamos o aspeto central da Eucaristia e agradecemos especialmente a Deus por ela, especificamente pelo facto de Jesus se nos dar a si próprio como alimento na Eucaristia e permanecer connosco todos os dias até ao fim desta vida.

Mas como é que Ele permanece connosco? Está principalmente na Eucaristia, nos símbolos do pão e do vinho. É por isso que há quase 800 anos adoramos o corpo de Jesus no Santíssimo Sacramento do altar (fora da celebração eucarística), no qual Ele está plenamente presente na sua divindade e humanidade. E esta é também a razão pela qual fazemos a nossa adoração e amor por Jesus neste dia, quando o levamos na procissão pelas ruas das nossas cidades e vilas. Queremos mostrar-lhe a nossa gratidão na presença do povo e testemunhar a nossa fé na Sua presença. É por isso que, sempre que possível, é altamente recomendada a participação numa procissão de Corpus Christi. Quem mais devemos confessar publicamente se não a Jesus, o único que nos pode dar a vida eterna?

Este ano, a leitura para o ano litúrgico B, não se concentra no corpo de Cristo, como seria de esperar no dia do Corpus Christi, mas no seu sangue. Tem sido muito venerado ao longo dos séculos, mas hoje em dia, infelizmente, perdemos parcialmente esta forma de devoção, embora na realidade seja muito bonita e importante.

Na primeira leitura, do Êxodo 24, 3-8, vemos Moisés a fazer a primeira aliança com Israel. Moisés sacrifica animais, tira-lhes o sangue, derrama-o numa bacia e asperge metade do sangue sobre o altar, que simboliza Deus. Lê então os Dez Mandamentos ao povo de Israel, que são de certa forma a base contratual deste pacto, e pergunta se o povo quer entrar nesta aliança com Deus sob estes termos. As pessoas respondem então: “Amém, sim amém, nós o faremos”. Como sinal desta aliança, Moisés pega na outra metade do sangue e asperge-o sobre o povo. O que acontece com esta aspersão do povo e do altar com o sangue dos animais?

Era um rito antigo oriental que tinha dois níveis de significado. Por um lado, indicava que ambas as partes do contrato estavam dispostas a morrer uma pela outra e, por conseguinte, entravam numa família de sangue, por assim dizer. Embora isto só seja indicado simbolicamente no Antigo Pacto porque Deus, que é de espírito puro, não tem sangue e as pessoas são apenas aspergidas com o sangue de animais, mas, uma vez que o sangue veio de uma fonte comum, expressou no entanto que ambas as partes morrem uma pela outra e são depois criadas e doravante são “parentes de sangue”, o que significa que pertencem a uma família comum. Além disso, presume-se que se um dos dois quebrar este pacto, a mesma coisa lhe aconteceria, como aconteceria com os animais, ou seja, como castigo por quebrar o pacto, ele teria de dar a sua vida e derramar o seu sangue.

Como é bem conhecido, o povo de Deus quebrou este acordo inúmeras vezes ao longo do Antigo Testamento. Ter-se-ia esperado que Israel tivesse de perecer. No entanto, só aconteceu simbolicamente, ao exilar-se. Israel tinha-se colocado sob uma maldição, ao concordar em cumprir todos os mandamentos e em morrer se estes fossem quebrados. Mas é precisamente isso que Deus não permitiria em última análise, para que as pessoas sobrevivessem ao exílio e regressassem à terra. Em vez de entregar o seu povo à morte eterna, ele próprio se tornou um homem, um israelita tal como eles, e derramou o seu próprio sangue no lugar deles, e por todos nós para nos perdoar dos nossos pecados.

Encontramos esta verdade de fé, repetidamente, em outras imagens. Como na leitura da Carta aos Hebreus (cf. Heb. 9, 11-15). Dizem-nos que em Jesus temos um novo sumo sacerdote que não se limita a aspergir figurativamente o altar com o sangue de cabras e touros, como o sacerdote do Antigo Pacto. Esta é uma analogia ao rito anual do perdão dos pecados no Antigo Testamento, em que uma vez por ano, no Yom Kippur, o sacerdote entrava no interior do templo e aspergia o sangue de touros e cabras no altar para servir de expiação pelo povo.

Isto foi apenas figurativo. A Carta aos Hebreus diz que Jesus não só entrou num templo construído por mãos humanas e não com o sangue de cabras e touros, que nunca pode realmente tirar os pecados. Pelo contrário, ele entrou num templo completamente diferente com o seu próprio sangue, na parte mais profunda da Trindade. E com este sangue ele reparou os nossos pecados.

No Evangelho, ouvimos Jesus dizer aos discípulos na instituição da Eucaristia: “Este é o meu sangue da aliança, que é derramado por muitos” (Marcos 14,24). Jesus define o sangue como os dois aspetos da aliança acima mencionados, o fundamento da relação de sangue e o perdão dos pecados. Este novo pacto já não pode ser anulado pelos pecados do povo, como no antigo. Não, a Nova Aliança é um entendimento eterno que o pecado do homem não pode destruir, uma vez que é feito no sangue de Cristo, que expiou os pecados do homem para sempre, e se faz presente entre nós na Eucaristia.

A humanidade de Jesus é o altar da nova aliança e a divindade com a humanidade é aspergida simultaneamente com o sangue do Filho do Homem, tornando-se assim “parente de sangue”. Em Jesus, Deus e o homem morrem um pelo outro e são ressuscitados juntos. Ao mesmo tempo, o sangue que Jesus derrama como expiação pelos nossos pecados está em cada celebração eucarística. O pacto é renovado e nós somos lavados dos nossos pecados.

Sempre que o padre levanta o cálice, podemos, portanto, rezar:

Neste sangue, desejo selar convosco o meu pacto de baptismo. Lava-me pelo teu precioso sangue, lava-me a consciência das suas obras mortas, purifica-me dos meus pecados, Senhor, e protege-me do anjo da morte pelo teu precioso sangue (cf. Ex 12, 23.27).

Sempre que recebemos a Eucaristia, recebemos ao mesmo tempo o Sangue de Cristo (a Igreja ensina que o Corpo e o Sangue de Cristo estão plenamente presentes em ambos os símbolos, pão e vinho, por isso bebemos o Seu Sangue mesmo que recebamos apenas o pão) e tornamo-nos de uma forma muito real irmãos de sangue com Cristo e através Dele filhos do Pai, porque o Seu Sangue flui em nós. O seu sangue purifica-nos de todo o pecado e o seu sangue torna-nos sacerdotes, profetas e reis perante o nosso Senhor, a quem nos podemos aproximar sem medo porque somos purificados pelo seu sangue de todas as obras de pecado. ∎