Fri, May 21, 20215 minutos lidosminicatNina S. Heereman, SSD

Domingo da Trindade: Deus é amor

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Uma interpretação baseada na 1ª leitura e no Evangelho.

Todos os anos, a Igreja celebra o Domingo da Trindade no domingo seguinte ao Pentecostes. Porquê? Com o Pentecostes, a obra salvífica da redenção é concluída e, da mesma forma, com a revelação da Trindade de Deus, a revelação como um todo é concluída. A vontade de Deus é revelar-nos a natureza mais íntima de Si mesmo. Porquê? Porque Deus é amor. Aquele que ama quer que o outro o conheça completamente na intimidade do seu ser. A auto-revelação de Deus, na qual Ele nos quer revelar o mistério do seu ser, é, em última análise, a revelação de que Deus é trino. Porque cada um de nós é chamado a entrar numa relação muito pessoal com as três pessoas deste Deus único.

O que é que se faz quando se está apaixonado? Falar e falar e falar - pelo menos nós mulheres falamos - para contar ao outro tudo sobre ti, ou seja, para te revelares à pessoa amada. Através da conversa, tentas comunicar-te, contar ao outro tudo o que há para comunicar sobre ti, para que ele/ela te conheça e te reconheça. A certa altura chega ao ponto em que conhece tão bem a outra pessoa que diz: "Quero dar-lhe a minha vida, quero receber a sua vida". Vão - idealmente - ao altar e prometem ser fiéis um ao outro até à morte. Por isso, faz-se um compromisso. Depois segue-se essa auto-revelação através das palavras, que selam este pacto de amor completamente com o compromisso da doação do próprio corpo, ou seja, com a doação de si mesmo ao outro.

Deus não faz nada menos do que isso: Ele se torna homem a fim de se revelar completamente a nós na pessoa de Jesus Cristo. O próprio Jesus é toda a revelação do Pai. Ele diz: "Quem me viu, viu o Pai". (Jo 14,9) Ele fala e fala e fala durante o seu ministério público e finalmente diz: " Contei-vos tudo o que ouvi do meu Pai". (Jo 15,15)

Depois ele vai e sela o pacto na entrega da sua própria vida. É a isto que o Evangelho do dia alude: "Porque Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho único, para que todos os que nele crêem não pereçam, mas tenham a vida eterna". (Jo 3,16) E depois disso, ele nos envia o seu Espírito Santo para que ele tome residência em nós e através dele entramos em contacto com o Senhor.

Esta entrega da vida de Jesus na cruz continua presente para nós no mistério da Eucaristia. Ali Jesus entrega-se a nós tão radicalmente como um marido que se entrega com toda a sua fertilidade à sua esposa. Assim, recebendo-o como uma esposa que recebe a semente do seu marido, nos tornamos fecundos e damos vida divina. Isto é exactamente o que acontece no mistério da Eucaristia. Porque é que nos podemos tornar fecundos? Porque o Espírito Santo, o princípio da concepção em Deus e da fecundidade, habita em nós. Ele derruba aquelas paredes interiores que erguemos contra Deus através do pecado dentro de nós e nos dá o dom de sermos fecundos. Desta forma, o Senhor entrega-se a nós, nos dá a sua semente que pode fazer nascer em nós uma nova vida.

Passemos agora à primeira leitura: trata-se na verdade da revelação mais importante de Deus no Antigo Testamento. Provavelmente a passagem mais famosa do Antigo Testamento em que Deus se revela é aquela em que Deus aparece a Moisés no arbusto ardente e faz o seu nome conhecido. Aí diz Moisés a Deus: "Quando eu for com os israelitas e lhes disser: 'O Deus dos vossos pais enviou-me até vós', se eles me perguntarem: 'Qual é o seu nome?' o que devo lhes dizer?" Deus respondeu a Moisés: “Eu sou aquele que sou”. E ajuntou: “Eis como responderás aos israelitas: (Aquele que se chama) ‘Eu sou’ envia-me junto de vós”". (Ex 3, 13-14)

Ou como também se poderia traduzir: "Eu sou quem vou ser". Deus revela o seu nome aqui, e "nome" no sentido bíblico significa "manifestação do próprio ser". No entanto, continua a ser um nome misterioso, pois ainda nada mais diz senão que Deus é o Ser e que Ele será sempre quem Ele é. Portanto, Deus revela o seu nome, mas Moisés ainda não pode dar uma definição adequada sobre este Deus. Na tradução "Eu sou quem vou ser", parece que Deus está aqui dizendo, como se fosse, "Entra num pacto comigo, comprometa-se comigo, viverei uma história contigo, e na forma como eu levar a tua vida, saberás quem eu sou".

Isto é exactamente o que acontece no convénio no Sinai. Deus conduz Israel para fora do Egipto e faz um pacto com eles em Horeb, a montanha de Deus. Quem é, então, o Deus que Israel reconhece até então? Ele é o Deus que os conduziu para fora da escravatura no Egipto. Israel sabia: "Este Deus é grande! Ele derrotou o grande poder do mundo antigo daquela época, libertou-nos do Egipto, ele é mais forte que o Faraó, nenhum poder humano é mais forte que o nosso Deus. É claro que vamos querer envolver-nos com este Deus e viver uma história com ele". Qualquer um de nós gostava. É por isso que o povo diz com toda a sua convicção: "Faremos tudo o que o Senhor nos mandou". (Ex 24,3)

Mas logo que o pacto é feito, Israel comete o pior pecado da sua história: constrói para si próprio um bezerro de ouro (cf. Ex 32), com as pessoas a dizer:  "Este é o teu Deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egipto"! (Ex 32,8) Humanamente falando, deveria afirmar-se: este povo quebrou o pacto e, portanto, já não tem o direito de ser o povo deste Deus. Mas só neste momento, quando Israel tiver cometido o pior pecado imaginável, é que Deus pode ir um passo mais adiante ao revelar-se a si mesmo. Curiosamente, ele escreve isto num novo par de tábuas. Isto é uma alusão ao facto de que haverá um novo pacto.

Aqui Deus revela novamente o seu nome, mas agora dá um significado mais profundo a esta revelação do seu nome. Agora ele pode revelar algo a Israel que eles não teriam compreendido antes. Antes, eles compreenderam que Deus é o único Redentor e que Deus é mais forte que as potências inimigas. Mas agora compreendem que Deus é aquele que perdoa os seus próprios pecados e cuja misericórdia é maior do que a sua justiça. Este é o nome da nova revelação do seu nome, a nova manifestação do seu ser: "Senhor, Senhor, Deus compassivo e misericordioso, lento para a cólera, rico em bondade e em fidelidade, que conserva sua graça até mil gerações, que perdoa a iniquidade, a rebeldia e o pecado, mas não tem por inocente o culpado, porque castiga o pecado dos pais nos filhos e nos filhos de seus filhos, até a terceira e a quarta geração" (Ex 34, 6-7)

A revelação da natureza mais íntima de Deus diz assim que ele é misericordioso. E esta misericórdia de Deus revela-se-nos mais tarde - cara a cara - na pessoa de Jesus Cristo, que traz esta mesma revelação à sua conclusão e assim prova plenamente que Ele é misericordioso. A humanidade vence Jesus Cristo até à cruz através dos seus pecados, mas em vez de Deus nos rejeitar por causa disso, Jesus regressa dos mortos e revela-nos que ainda nos ama ininterruptamente e que até transformou a nossa própria morte, ou melhor, que o Pai transformou o nosso assassinato do Filho, na fonte da misericórdia para toda a humanidade, ou seja, na fonte da qual flui o perdão dos pecados. Ele revela que enquanto nós O crucificamos, Ele tomou sobre Si a nossa culpa e assim anulou essa culpa, para que Ele possa tornar-se a fonte de misericórdia para nós.

Portanto, não se pode celebrar a festa da Trindade sem compreender que a Trindade se revelou a Si mesmo para nós como um Pai infinitamente misericordioso que deu o Seu próprio Filho para morrer por nós e que este próprio Filho morreu por nós por amor, para que o Espírito Santo pudesse vir habitar em nós e levar-nos a esta comunhão eterna de amor ardente. ∎