qua., 31 de março de 20213 minutos lidosminicatNina S. Heereman, SSD

Domingo de Páscoa - Ano B

Cristo ressuscitou! Ele está verdadeiramente ressuscitado!

Cristo ressuscitou! Ressuscitou verdadeiramente! Após 46 dias de marcha pelo deserto da Quaresma, recebemos hoje uma mensagem de Páscoa: Cristo ressuscitou!

Três palavras sobre a leitura de hoje: No Evangelho, que cada ano é tirado do Evangelho de João, Maria Madalena, como a noiva no Cântico dos Cânticos, vem de manhã enquanto ainda estava escuro, à procura do seu amado pelas ruas e praças da cidade e não o encontra. Ela corre para Pedro e João e diz: “Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram!”. (Jo 20, 2)

Pedro e João correm. João corre mais depressa. Porquê? Porque João é aquele que reclinou a cabeça no Coração de Cristo na Última Ceia e está tão cheio da plenitude do amor do Sagrado Coração de Jesus que é considerado o discípulo do amor de todos os tempos. O amor corre mais depressa.

Pedro demora um pouco mais e por isso João chega primeiro, mas deixa Pedro entrar primeiro. Aqui, como noutras passagens do Evangelho, já se pode ver a primazia de Pedro enraizada: o amor dá lugar ao ofício. Pedro entra primeiro, João entra de seguida.

João vê as ligaduras de linho ali deitadas e acredita. Ele acredita sem ver o Ressuscitado. O túmulo vazio é suficiente para ele, ao contrário de Tomé que dirá: “Se não vir nas suas mãos o sinal dos pregos, e não puser o meu dedo no lugar dos pregos, e não introduzir a minha mão no seu lado, não acreditarei!”. (Jo 20, 25) João acredita sem ver. “Felizes aqueles que acreditam sem terem visto!”. (Jo 20, 29)

Pedro deve ser a primeira testemunha da ressurreição. No Novo Testamento, na primeira carta aos Coríntios, diz: “Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras, e apareceu a Cefas e, em seguida aos Doze”. (...) Por último, apareceu-me também a mim”. (1 Cor 15, 4-5.8) Tal como Pedro é o primeiro a testemunhar a divindade de Cristo (cf. a confissão de Pedro sobre Cristo e a promessa de Jesus em Mt 16, 13-20) e Jesus disse-lhe em resposta: “tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. (Mt 16, 18); assim, a primeira tarefa de Pedro é testemunhar a ressurreição de Cristo.

Isto é precisamente o que faz quando comparece perante os judeus. De facto, na primeira leitura dos Atos dos Apóstolos ouvimo-lo dizer: “Deus enviou a sua palavra aos filhos de Israel, anunciando-lhes a Boa-Nova da paz, por meio de Jesus Cristo. Este é o Senhor de todos. Vós sabeis como tudo isso aconteceu na Judeia, depois de ter começado na Galileia, após o batismo que João pregou. Vós sabeis como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com o poder, como ele andou fazendo o bem e curando todos os oprimidos do demônio, porque Deus estava com ele.” (Atos 10, 36-38)

Falamos então do que chamamos de Kerygma: O que é essencial para se ter interiorizado como cristão, o centro da nossa fé. Nomeadamente, que Jesus morreu na cruz pelos nossos pecados, que o Pai o ressuscitou ao terceiro dia, o nomeou juiz dos vivos e dos mortos, e que o perdão dos pecados é dado em seu nome a todos os que acreditam no seu nome (cf. Atos 10, 39-43).

Assim, os quatro pontos mais importantes de um cristão não são os Dez Mandamentos ou qualquer outra lei moral. Embora o nosso mundo humanitário esteja cheio de moral, a mensagem mais importante de Cristo é diferente:

  1. Cristo morreu pelos nossos pecados.

  2. Ressuscitou dos mortos.

  3. Ele é o juiz dos vivos e dos mortos.

  4. Todos os que acreditam no Seu nome recebem o perdão dos pecados em Seu nome.

A Salvação não nos é dada em outro nome que não seja o nome de Jesus Cristo. Portanto, o nome de Jesus é sagrado para nós. Sempre que falamos no nome de Jesus, experimentamos a cura que ele nos dá em Seu nome. “Porque, se confessares com a tua boca que Jesus é Senhor e acreditares no teu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo”. (Rm 10, 9). AMÉM! ∎