Thu, May 28, 202010 minutos lidosBernhard Meuser

Para que precisamos realmente do Espírito Santo?

Para muitos cristãos, o Espírito Santo é um desconhecido. Desempenha um papel central neste contexto. Uma visão geral de passagens importantes da Bíblia e do catecismo.

© Photo by Fuu J on Unsplash.

Definição


Pentecostes / Espírito Santo

Pentecostes é a terceira maior festa do cristianismo. Os cristãos celebram a descida do Espírito Santo sobre cerca de 120 pessoas: os Apóstolos, Maria, algumas mulheres e outros discípulos. Esse grupo havia se reunido inicialmente “por medo dos judeus” (Jo 20, 19), mas também para rezar e esperar um sinal do alto. Pentecostes é celebrado no 50º dia depois da Páscoa – é isso que Pentecostes significa em grego, pentekostē (= 50º). Pentecostes é considerado como o nascimento da Igreja, e deve-se refletir sobre o significado de este local de nascimento ser idêntico ao local onde Cristo celebrou a Eucaristia pela primeira vez.

O Espírito Santo “é a terceira pessoa da Santíssima Trindade e é da mesma grandeza divina que o Pai e o Filho” (YOUCATC 38). Jesus prometeu aos discípulos que mandaria a eles outro “Paráclito” (Jo 14, 16) pouco antes de Sua morte, que permaneceria com eles após Sua partida. Quando os discípulos receberam o Espírito Santo, eles entenderam o que Jesus quis dizer com aquelas palavras. Eles experimentaram uma profunda alegria e uma forte sensação de proteção, e receberam carismas (= dons da graça), isto é, podiam profetizar, curar e realizar milagres. “O espírito é que vivifica” (Jo 6, 63) – os cristãos, mas também toda a Igreja, que estaria completamente perdida sem o Espírito Santo. Sem os dons do Espírito Santo (1Cor 12), a Igreja é uma instituição morta.

O que a Bíblia diz?


A descida do Espírito Santo, profeticamente anunciada por Jesus, aconteceu no dia da festa da colheita judaica, num evento dramático: “De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles” (At 2, 2-3). Os discípulos, sem saber o que estava acontecendo, “começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At 2, 4). No momento de seu nascimento, a jovem Igreja, cheia do Espírito, imediatamente desenvolveu um dinamismo missionário. Isso é o que Jesus tinha também pedido antes de partir: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28, 19). Aqueles que testemunharam a descida do Espírito Santo perguntaram aos discípulos: “Que devemos fazer, irmãos?” (At 2, 37). A resposta foi dada por Pedro: “Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo” (At 2, 38). O poder do Espírito Santo é palpável: “Os que receberam a sua palavra foram batizados. E naquele dia elevou-se a mais ou menos três mil o número dos adeptos” (At 2, 41). No Espírito Santo, “perseveravam eles na doutrina dos apóstolos, na reunião em comum, na fração do pão e nas orações” (At 2, 42).

Mesmo antes de Pentecostes, o Espírito Santo é uma realidade divina no Novo Testamento. Maria recebe Jesus “envolvida pela sombra” do Espírito Santo (Lc 1, 35). No Batismo no rio Jordão, o Espírito Santo desce sobre Jesus (Mt 3, 16). No Evangelho de João, Jesus fala do “Espírito da Verdade” (Jo 14, 17). No Antigo Testamento, o entendimento sobre o Espírito Santo evolui gradualmente. “O Espírito de Deus”, diz a narrativa da criação, “pairava sobre as águas” (Gn 1, 2). O homem se torna um ser vivente quando Deus inspira-lhe as narinas com seu “sopro” (Gn 2, 7). Jó confessa: “O Espírito de Deus me criou, e o sopro do Todo-poderoso me deu a vida” (Jó 33, 4). A palavra hebraica para esse sopro é ruach – e é feminina, o que é um sinal de que, em Deus, até a criação materna da vida tem seu lugar.

Uma pequena catequese do YOUCAT:


Para que precisamos realmente do Espírito Santo?

Quando as pessoas ainda não eram educadas sexualmente - por volta de 1968 - um certo Oswalt Kolle conseguiu um sucesso de bilheteria internacional com o filme "Sua Esposa - O Ser Desconhecido". Hoje seria preciso fazer um filme "O Espírito Santo - o Ser Desconhecido". Nada é mais desconhecido na igreja e quase nada é mais importante que o Espírito Santo, especialmente em tempos em que muitas pessoas não sabem mais onde estão as costas e a frente.

Alguns colocam o Espírito Santo na fórmula um tanto ou quanto escassa "O que precisamos é de mais entusiasmo". Mas o Espírito Santo não tem a intenção de elevar a temperatura emocional de operação da adoração. Em YOUCAT 38 diz: "O Espírito Santo é a terceira pessoa da Santíssima Trindade e é da mesma grandeza divina que o Pai e o Filho" - e YOUCAT 113 reforça isso mais uma vez: "Crer no Espírito Santo significa adorá-lo como Deus, assim como se adora o Pai e o Filho".

Sem o Espírito Santo Deus não é completo, por assim dizer. E principalmente: sem o Espírito Santo Deus - mais uma vez muito falado como homem - de alguma forma não está "lá".

© Photo by Valentina Uribe on Cathopic.

Um fantasma - ou o quê?

Podemos imaginar algo de Deus Pai - e seja a imagem ingênua de um homem velho de barba comprida. Com o Filho, o Novo Testamento torna-se quase físico: "O que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que olhamos e o que nossas mãos tocaram, nós proclamamos". (1º João 1:1) Mas quando falamos do "espírito", alguns pensam apenas em fantasmas de castelo e outros fenômenos arejados de realidade duvidosa.

Bem, há coisas invisíveis que são tão reais quanto pedra e ferro - o "amor", por exemplo. Ninguém jamais viu o amor - mas ele existe sem dúvida alguma. Com as pessoas, o amor é uma espécie de coisa intermediária - a língua latina tem a palavra interesse (= entre-estar) por ele. Porque através de Jesus somos de uma maneira brilhante capazes de olhar para o Deus interior, descobrimos uma inter-essência lá também. Deus não é um bloco monolítico. Nele há vida, comunidade, um interminável diálogo de amor. O interesse do Pai pelo Filho (e vice-versa) é de tal intensidade que o "intermediário" do amor divino não é um sentimento vago ou uma qualidade de relacionamento, mas uma pessoa: o Espírito Santo.

Uma relação que é um "alguém" - isso vai além de qualquer imaginação humana. E isso fica mais louco! Jesus quer nos levar para o relacionamento de todos os relacionamentos, para a inter-essência de Deus. Nós somos absolutamente interessantes para Ele. Para isso ele não nos dá um conjunto de regras de associação; também não temos que estabelecer artificialmente um certo "espírito" para nós mesmos.

Ele nos dá um Deus, por assim dizer

Desculpe? O que os pobres Coríntios teriam pensado quando Paulo lhes perguntou: "Não sabeis que o vosso corpo é um templo do Espírito Santo que habita em vós e que tendes de Deus?" "Nosso corpo", conclui YOUCAT 120 logicamente, "é, portanto, em certo sentido, a sala de estar de Deus". O Deus infinito - em miniatura? Em uma acomodação de carne, sangue e pensamentos questionáveis?

Vamos ver como Jesus chegou a isso. O evangelho de João faz os discursos de despedida de Jesus. Pode-se bem imaginar o que estava acontecendo nos amigos de Jesus quando ele anunciou o fracasso de seu projeto. Esses pescadores, agricultores e funcionários da alfândega, que haviam desistido de suas profissões civis, haviam colocado tudo em um só cartão. Agora o herói deles iria embora? Uma explicação é o mínimo que eles poderiam pedir.

E Jesus a dá. Mensagem 1: "Não vos deixarei órfãos". (João 14:18). Mensagem 2: "E eu pedirei ao Pai, e ele vos dará outro Advogado para estar sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode aceitar, porque não o vê nem o conhece. Mas vós o sabeis, porque ele permanece convosco, e estará em vós. (João 14:16-17)

Será que os apóstolos entenderam alguma coisa? Eu duvido.

Revelação no Relacionamento

Ainda hoje se sabe onde aconteceu a relação. Quero dizer, o lugar onde os discípulos entraram no relacionamento de todos os relacionamentos. Fica em Jerusalém, no Zionsberg (para os donos de smartphones: GPS 31.772167, 35.229281). Da Rua Ma'ale Shazkh sobe-se cerca de 40 m até o "Cenáculo", do qual o famoso arqueólogo Bargil Pixner jura que aqui - logo abaixo da igreja dos cruzados do século XIV - foi o salão onde aconteceram dois momentos cruciais na história do relacionamento de Deus com o mundo: a Ceia do Senhor e Pentecostes.

Foi a sala em que Jesus entrou num novo relacionamento inédito com seus discípulos que o fez, por assim dizer, presente na ausência. Foi aqui que Jesus se ofereceu de forma eucarística para comer e beber - para sempre e em toda parte. E foi nesta sala de Jerusalém, que se chama "Cenáculo" nos Atos dos Apóstolos; ali os confidente mais próximos de Jesus voltaram depois que o Senhor se mostrou a eles como o Ressuscitado: "Pedro e João, Tiago e André, Felipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago filho de Alfeu, Simão o Zelote, e Judas filho de Tiago...". (Atos 1,13) Eles tinham recebido uma misteriosa instrução: "Recebereis o poder do Espírito Santo que virá sobre vós; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém e em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra". (Atos 1:8) O que isso significa?

The Descent Of The Spirit, by Gustave Doré.

Loja Fechada. Máxima tensão.

O que você faz em um momento como este? Espere.

"Todos ficaram ali unidos em oração, com as mulheres e com Maria, a mãe de Jesus, e seus irmãos". No meio: Maria, a perita em relacionamentos desde o início ("O Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo te ofuscará", Lc 1:35). Através do seu "sim" foi aberto o espaço para a Encarnação de Deus.

E então eles - a mãe, as mulheres, os amigos - são vencidos por Pentecostes. Começa uma nova realidade. Cinqüenta dias após sua Ressurreição", diz em YOUCAT 118, "o Senhor enviou do céu o Espírito Santo sobre seus discípulos". A era da Igreja começou. No Pentecostes o Espírito Santo transformou temerosos apóstolos em corajosas testemunhas de Cristo. Em muito pouco tempo, milhares se batizaram: era o aniversário da Igreja. O milagre das línguas no Pentecostes mostra que a Igreja está lá para todos os povos desde o início: Ela é universal (= o termo latino para o grego kat' holon, católico) e missionária. Ela fala a todos os homens, supera barreiras étnicas e lingüísticas, e pode ser compreendida por todos. Até hoje o Espírito Santo é a "alma" da Igreja, o princípio essencial de sua vida.o Senhor enviou do céu o Espírito Santo sobre seus discípulos".

Ser um cristão sem espírito? Isso é ridículo!

Desde Pentecostes, Deus tem estado em modo de espera. Ele habita no coração da Igreja e no coração de cada crente. Todo contato com Deus, toda vocação para ele, toda conversa sobre ele é "espiritual" - ou ele é uma fraude de rótulo. Quando oramos, Deus chama em nós para Deus fora de nós, e quando reconhecemos Deus, Deus reconhece em nós o Deus acima de nós. "Sem o Espírito Santo não se pode entender Jesus", diz YOUCAT 114. Quando a cura acontece na igreja, ela é cura no Espírito Santo. Sem ele ninguém é consolado, fortalecido, convertido, guiado e reconciliado. Sem o Veni Sancte Spiritus, ninguém na igreja pode ensinar, abençoar, guiar. Sem a "unção do alto" não se pode praticar teologia. "Sem" também não se pode dar os sacramentos; os dons da terra permanecem inalterados. Sem o Espírito Santo, os agentes pastorais são apenas guias cegos para os cegos. Sem o Espírito Santo, todo o complexo altamente diferenciado da igreja não passa de um pedaço pobre da sociologia. E "sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza, conhecimento, piedade e temor do Senhor" (YOUCAT 310) são habilidades normais, pelo menos não os Sete Dons do Espírito Santo. O mundo permanece o mundo. Nada vem de cima.

O Metropolita Inácio Hazim, antigo Patriarca Ortodoxo Grego de Antioquia (1920-2012), expressou-o de uma forma inimitável: "Sem o Espírito Santo, Deus está longe, Cristo permanece no passado, o Evangelho é um livro morto, a Igreja é uma organização, a autoridade é apenas dominação, a missão é uma propaganda, o culto é um encantamento, e a ação cristã uma moralidade escrava. Mas com o Espírito Santo o cosmos se eleva e geme nas dores do Reino, Cristo Ressuscitado está lá, o Evangelho é o poder da vida, a Igreja é a comunidade trinitária, a autoridade é um ministério libertador, a missão é um novo Pentecostes, a liturgia é lembrança e antecipação, a ação humana é glorificada." ∎