Fri, July 3, 202010 minutos lidosBernhard Meuser

A Devoção ao Sagrado Coração de Jesus

A festa do Sagrado Coração de Jesus trata do amor de Deus pela humanidade. Leia uma visão geral de importantes passagens da Bíblia e do Catecismo.

© Photo by Manuel Hernandez on Cathopic.

Definição


A Devoção ao Sagrado Coração de Jesus

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus é uma prática espiritual na Igreja Católica derivada e inspirada por vários santos (como Bernardo de Claraval, Gertrudes de Helfta, Francisco de Sales, João Eudes, Margarida Maria Alacoque). Nessa devoção, o amor crucificado de Deus é venerado de forma particular. O coração de Deus, “cheio de misericórdia”, é verdadeiramente perfurado pela condição da humanidade e literalmente perfurado por nós (Jo 19, 34). A primeira sexta-feira do mês é sempre dedicada ao Sagrado Coração de Jesus. Ao longo do século XX, aproximadamente 30 milhões de pessoas participaram do movimento do Sagrado Coração de Jesus.

O que a Bíblia diz?


A palavra “coração” aparece cerca de 400 vezes na Bíblia. Devemos gravar a palavra de Deus “em (nosso) coração” (Dt 11, 18); Israel “endurece” seus “corações” (Sl 94(95), 8), ou volta seus “corações” para Deus (1Sm 7, 3). Israel de alguma forma descobre o coração de Deus, que diz: “Eu vos darei um coração novo e em vós porei um espírito novo; tirarei do vosso peito o coração de pedra e vos darei um coração de carne” (Ez 36, 26). O jugo de Deus é suave; Deus é cheio de amor e seu coração é “manso e humilde” (Mt 11, 29). 

A Igreja primitiva sempre associou o coração de Jesus, ferido pela lança, à profecia de João 7, 37-39: “‘Se alguém tiver sede, venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura: Do seu interior manarão rios de água viva’. Dizia isso, referindo-se ao Espírito que haviam de receber os que cressem nele [...].” Na liturgia do Sagrado Coração ouvimos: “Elevado na cruz, entregou-se por nós com imenso amor. E de seu lado aberto pela lança fez jorrar, com a água e o sangue, os sacramentos da Igreja, para que todos, os atraídos ao seu coração, pudessem beber, com perene alegria, na fonte salvadora.”

Uma pequena catequese do YOUCAT:


Por que a fé precisa do coração?

Sobre a vitalidade do cristianismo, o engenhoso jornalista alemão e viajante do mundo Peter Scholl-Latour mencionou uma vez: “Não estou preocupado com a força do Islã, mas sim com a fraqueza do Ocidente. O cristianismo, em parte, já renunciou. Não possui mais leis morais vinculativas nem dogmas”. É verdade que aqueles que são apaixonados pela Igreja podem desanimar com o quanto a diluição racional do cristianismo já progrediu no Ocidente. O Papa Francisco fez uma pergunta profunda a si mesmo e a toda a Igreja: “Somos ainda uma Igreja capaz de aquecer o coração?” 

Podemos agradecer por nem tudo ter sido destruído pela iconoclastia. É um verdadeiro milagre que a gruta de Lourdes, a imagem do Jesus Misericordioso de Santa Faustina, o rosário e a devoção ao Coração de Jesus tenham sobrevivido. Em meio ao cristianismo iluminado, ainda hoje existem formas de espiritualidade estranhas, repulsivas, inúteis, vibrantes e desagradáveis que sobrevivem na medida em que até mesmo os críticos eruditos as conhecem. Martin Mosebach fez recentemente a observação comovente, em um discurso em defesa da devoção popular, ao dizer que “as altas artes do cristianismo nunca tiveram a admiração do povo piedoso ou foram associadas a milagres ou responderam a orações". É perfeito porque pode distrair do que é realmente importante. A verdadeira fé não é sobre imagens, mas sobre a devoção do coração.

The first image of the Merciful Jesus, made by Eugeniusz Kazimirowski.

São John Henry Newman tomou como seu slogan “Cor ad cor loquitur” (O coração fala ao coração) – um ditado não da Bíblia, mas de Francisco de Sales. O cristianismo é uma religião do coração, ou não é uma religião. Todos os santos ao longo da história reconheceram isso. “Nosso Senhor,” disse Teresinha de Lisieux, “não precisa de grandes pensamentos ou ideias belas. Ele não está em busca de talento ou inteligência. Ocorreu-me que basta levar nosso Senhor pelo Seu Coração.”

Madre Teresa disse: “Lancem seus olhos sobre Ele, que é luz; voltem seus corações para Seu divino Coração; peçam a graça de conhece-Lo e pela graça de serem capazes de amá-Lo e terem a coragem para servi-Lo. Procurem com sinceridade por Ele.”

E o próximo santo do Vaticano (?), o beato Charles de Foucauld, focou sua vida nesta pergunta: “O que deseja o Coração de Jesus?” E ele chegou a esta conclusão: “Sou o escravo do Coração de Deus. É uma escravidão da qual eu não quero escapar... Farei o que o Coração de Jesus desejar. Quero olhar para Ele e imitá-Lo.”

A devoção do coração de Jesus pode ser desanimadora, mas é tão desanimadora quanto toda a Encarnação o foi para os sábios e inteligentes do mundo. O povo antigo da Grécia tentou reduzir Deus a um “termo”. Somente Israel se recusou a seguir o exemplo. Israel encontrou um Deus que falou com eles, e eles ouviram. YOUCAT 7 diz “Tal como, no amor humano, só se pode conhecer algo de uma pessoa amada quando ela nos abre o seu coração, também só conhecemos os mais íntimos pensamentos de Deus porque Ele, eterno e misterioso, Se abriu a nós por amor.”

Antes de pensar, Israel recorreu à oração. Em vez de descrever o fogo, Israel se deixou incendiar. Em vez de se apossar do mistério, Israel se permitiu ser apossada pelo mistério - por um Deus que se revelou de maneiras insondáveis, e finalmente em plenitude por meio da vida de Jesus. 33 anos e uma catástrofe revelaram o que podemos aprender sobre Deus: Deus tornou-se um coração humano. Em Jesus, diz o YOUCAT 7, “no Seu Filho Jesus Cristo, Deus comunicou continuamente com a humanidade. Em Jesus, Ele verteu-nos o coração e tornou-nos claro o Seu Ser mais íntimo.” Um soldado perfurou o lado de Jesus “e, imediatamente, saiu sangue e água” (Jo 19, 34), de forma que “finalmente, finalmente, a verdade é revelada que o nome outrora oculto de Deus é Amor” (Hans Urs von Balthasar).

Blessed Charles de Foucauld.

Se todo o mal, ódio e crueldade humana se juntaram no perfurar da lança no Gólgota, podemos observar nisso a maior colisão de opostos. Um golpe final confirma a morte do bem supremo. O mal atinge Deus em seu Coração. Mas esse golpe falha de maneira espetacular no final; o perfurar da lança não pode matar Deus. “Do Seu lado aberto jorram sangue e água, e do Seu Coração surgem os sacramentos da Igreja” – amor e vida para todas as gerações.

Se Deus oferece Seu Coração por nós, somos desafiados a responder de acordo. Ok, para falar a verdade: não existe uma resposta adequada. “Somos criaturas de coração partido, tentando nos divertir com drinques, sexo e ambições enquanto nos é oferecida uma alegria infinita” (C.S. Lewis). Mas existe Graça que pode transformar respostas gagas em frases completas. A primeira resposta adequada é adoração. A adoração é o reconhecimento da grandeza de Deus e da beleza de Seu amor. Ele tem precedência. Isso resulta em uma tentativa de consertar sua vida - ou, melhor dizendo: lutar pela santidade em sua vida. Lançar nossos pensamentos sobre o que é puro, belo e grande. Orientar nossa consciência de acordo com as intenções de Jesus (caso alguém lhe pergunte como você conhece a 'vontade de Deus’). O Filho, diz o YOUCAT 44, “é o sentido e o coração do mundo.”

Talvez o poder comovente da fé, que o Papa Francisco pede para a renovação da Igreja, exista. Novamente, de Charles de Foucauld: “Abri bem vossos corações, para receber o que Deus vos dá!" ∎