sex., 12 de março de 202110 minutos lidosBernhard Meuser

São José

Quem foi São José? Que papel desempenhou naquele tempo e agora? Uma visão atualizada baseada na Bíblia e no Catecismo.

Ⓒ New Line Cinema. The Nativity Story is a 2006 American biblical drama film based on the nativity of Jesus, directed by Catherine Hardwicke and starring Keisha Castle-Hughes and Oscar Isaac.

São José


Quem é ele? José de Nazaré (também: José, do hebraico, "Deus acrescentou") era o noivo da Virgem Mãe de Deus, Maria, bem como o pai adotivo e protetor do menino Jesus. O Papa Francisco honrou um dos maiores santos da Igreja ao fazer de 2021 "o ano de São José".

O que a Bíblia diz?


José, um carpinteiro (Mt 13, 55) na aldeia de 300 habitantes de Nazaré, estava prometido a Maria (Mt 1, 18-24). Quando ela engravidou, ele quis separar-se dela, de acordo com a lei. No entanto, por meio de um anjo de Deus, a origem sobrenatural de sua gravidez tornou-se clara para José num sonho. Confiando corajosamente na vontade de Deus, José aceitou Maria e cuidou dela e da criança. Segundo o evangelista Lucas, o nascimento teve lugar em Belém (Lucas 2, 1-7) porque José era de linhagem de Davi e teve de comparecer a um censo com Maria, que estava grávida. Avisado por outra mensagem angélica de um infanticídio coletivo, ele fugiu com Maria e a criança para o Egito e depois voltou para casa (Mt 2, 13-23). Os "pais de Jesus" são mencionados novamente mais tarde, quando encontram o jovem Jesus falando com os escribas no templo (Lc 2, 41-51). “Em seguida", é-nos dito, "desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso. ... E Jesus crescia em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens.” Em vários momentos dos Evangelhos, Jesus é também chamado "filho de José" (Jo 1, 45, Lc 3, 23, etc.), o que não contradiz o nascimento virginal que ocorreu ao mesmo tempo. Como José aparece apenas na história da infância de Cristo, a Igreja sempre assumiu que ele morreu antes do testemunho público de Jesus.

Uma pequena catequese do YOUCAT:


Um pai que aponta

O Papa Francisco é um homem de coração. A razão pela qual ele escolheu São José, este homem de ação tangível, entre todas as pessoas como "Homem do Ano" em 2021 tem a ver com a pandemia global e a sua incrível empatia com as necessidades e preocupações das pessoas comuns. Assim, o Papa escreve: "Nesta crise, vimos que as nossas vidas são moldadas e sustentadas por pessoas comuns — geralmente esquecidas — que não estão nas primeiras páginas dos jornais e revistas ou no centro das últimas notícias, mas que estão, sem dúvidas a escrever uma página importante da nossa história de hoje. Médicos, enfermeiros e trabalhadores da saúde, empregados de supermercado, empregados de limpeza, voluntários, padres, religiosos e muitos, muitos outros que compreenderam que ninguém é salvo sozinho.”

Maravilhoso! Haverá uma forma melhor de o justificar?

O Papa e a sua oração favorita

O fato de S. José ser também o santo preferido do Papa torna-o ainda mais cativante. Manhã após manhã, o Papa diz recordar uma oração antiga que oferece "veneração e confiança" a São José, mas também "o desafia um pouco". Lemos essa oração, que é tão pouco contemporânea quanto muito atual, ambos com emoção (e talvez com a ideia de a acrescentar ao seu tesouro particular de orações):

"Glorioso Patriarca São José, cujo poder consegue tornar possíveis as coisas impossíveis, vinde em meu auxílio nestes momentos de angústia e dificuldade.

Tomem sob a vossa proteção as situações tão graves e difíceis que Vos confio, para que possam ter uma solução feliz.

Meu amado Pai, toda a minha confiança está depositada em Vós.

Que não se diga que eu Vos invoquei em vão, E dado que tudo podeis junto de Jesus e Maria, mostrai-me que a vossa bondade é tão grande como o vosso poder. Amém."

Você tem um relacionamento com São José?

Tenho também uma história com São José. Uma vez fui confessar-me em Taizé e conheci um padre suíço da comunidade. Foi precisamente quando estava enfrentando um desafio existencial e fiz a mim próprio a pergunta: Poderia eu atrever-me a ter um relacionamento com São José, e não arriscaria o bem-estar material da minha família com três crianças por uma causa piedosa? O homem fez-me então uma pergunta estranha: "Você é parente de São José?" Eu gaguejei um pouco. Ainda não o tinha considerado sob esse ponto de vista. "Deveria", disse o meu confessor, que se aventurou a acrescentar uma pequena profecia: "Então você nunca terá demais. Mas também nunca terá demasiado pouco". Desde então, tenho tido uma relação com São José. E o YOUCAT também tem uma relação com ele. Uma vez que sabemos que tudo está em perigo, especialmente quando se trata de um projeto missionário, escolhemos recentemente José como nosso padroeiro. Quando as coisas se complicam, ele nos livra dos problemas. Todos aqueles que rezam pelo YOUCAT - e felizmente há muitos deles em todo o mundo - deveriam também acrescentar uma pequena oração pela intercessão desse homem maravilhoso.

O pai adotivo

No Natal, uma senhora idosa muito amorosa enviou-me um cartão especial que ela tinha comprado em Florença antes da pandemia. Um famoso pintor - Gentile da Fabriano - pintou lá um quadro de José no final do século XV, o que me cativou completamente. Eu olhei para o quadro e pensei: "Uau, um verdadeiro pai adoptivo!" Em alemão — não em todas as línguas — o pai adoptivo é também chamado "Ziehvater" (ziehen = puxar). Puxar é o oposto de empurrar. Puxar algo significa: puxar algo para a frente, para cima. Um "Er-zieher" (educador / "puxador") é um educador que faz sobressair o melhor de uma criança. Um pequeno veado que perdeu a mãe pode ser criado com leite, e uma família em que um bebê acabou de nascer precisa desesperadamente de um "José" — forte, atencioso e sábio — para puxar toda a família para um futuro melhor, especialmente quando circunstâncias externas fazem disso uma questão de vida ou morte. Foi o mesmo com Jesus: Maria poderia ter sido abandonada e apedrejada até à morte com o seu filho ilegítimo, mas houve esse homem forte, esse José, que disse a si próprio e ao mundo: "Não se eu tiver alguma coisa a dizer sobre isso!"

E assim que a criança nasceu, poderia ter sido vítima de um déspota cruel. Não com José lá! José não vacilou, e tomou sua pequena família, colocou-os num burro e fugiu para o Egito. Haverá alguém que o tenha pintado melhor do que o Gentile da Fabriano? Aqui vê-se em José um homem tão forte quanto atento e terno, levando um animal de carga resignado numa trela — fora de perigo! — enquanto ele olha atentamente tanto para o animal como para a sua preciosa carga. Envolvida no azul da eternidade, Maria tem olhos apenas para o mistério a ser salvo nos seus braços: a criança em quem o próprio Deus se fez homem, mas também uma potencial vítima de violência.

Rest during the Flight into Egypt, by Gentile da Fabriano, 1423.

Mais tarde, José torna-se o professor de Jesus. Durante 30 anos, José foi o chefe da família — e, claro, o rapaz aprendeu o trabalho manual de seu pai. Podemos imaginar uma versão contemporânea desta época nas suas vidas, durante a qual a empresa de construção José & Filho teria contribuído para a construção da cidade de Séforis, um dos projetos de construção mais ambiciosos da época. Séforis estava localizada a oito quilômetros de Nazaré, e toda a ajuda disponível era necessária no local. É bonito imaginar José ensinando a Jesus a técnica de trabalhar a madeira, serrar, aplainar, lixar, treinar o seu olho para discernir uma veia da madeira em particular. Começo a sonhar: Jesus, sob os olhos de José, limpa o suor da sua testa, sopra as aparas da peça, as pontas dos seus dedos sentem a fina suavidade da superfície... É nesta escola do humano que Jesus amadureceu. DC 137 diz: "Jesus foi ‘em tudo igual a nós, menos no pecado' (Concílio de Calcedônia, 451; cf. Hb 4, 14; CIC 467). Ele viveu no meio de pescadores, agricultores e artesãos e ele próprio passou se submeteu a uma formação profissional para trabalhar como carpinteiro na oficina de São José até os trinta anos. Nas suas parábolas, serve-se de imagens retiradas da vida econômica". E quando mais tarde narra as parábolas, elas falam das coisas simples da natureza, do comércio e do uso quotidiano.

Na profundidade da desordem

É como se o mundo e a Igreja nunca estivessem tão atolados como estão hoje. Será que o vírus insidioso irá fazer cada vez mais vítimas, destruir milhões de empregos e mesmo economias estatais inteiras? Nesses momentos, algumas pessoas redescobrem Deus e o hino antigo que diz: " Pois não há ninguém que há de lutar por nós senão Tu, Deus nosso....". Mas onde está esse Deus? Será que a Igreja Católica, uma vez o coração do Ocidente e o fermento de um mundo novo e humano, se afundará no crepúsculo do abuso e da duplicidade de critérios? Será ela descartada como se descarta um burro velho que já não vale a forragem que lhe é dada? Mas o burro velho — vê-se no Mestre Fabriano — vem e vai... carregando nas suas costas o que o céu e a terra não podem conter: O mundo perfeito, segurado pelas mãos ternas de uma pequena mulher que crê sem limites. Tirado da zona de perigo por aquele que pensa e age: São José.

O que indica a salvação no mundo e o que torna a Igreja atrativa ainda hoje são os seus pais adotivos, seus animais de carga, os santos. São José, Santa Catarina de Sena, São Francisco de Assis, Santa Teresa d’Ávila, São Filipe Néri: todos eles puxaram a Igreja, que tinha cansado e ficado desorientada, para fora da lama. José e os outros vivem para sempre no ambiente de Deus, como se lhe pode chamar. Entre os santos, YOUCAT 132 diz: "Um dia, quando já estiverem junto de Deus, continuarão a santificar a Igreja, porque passarão ao Céu apoiando-nos no caminho para a santidade". Para onde se dirige José? Talvez seja tempo de colocar num lugar seguro, durante algum tempo, o mistério dessa criança que não pôde estar no seu próprio país (Jo 1, 11: "...os seus não o receberam"), para que possa crescer em silêncio e um dia regressar de uma terra estrangeira para a terra onde ele será grande.

São José, rogai por nós, rogai por nós, rogai por nós. ∎